Cadeia para nós, brasileiros.

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

O povo brasileiro merece, sim, ser preso. Todos na cadeia. E que o carcereiro entre para depois jogar fora a chave.

É isso. Autoflagelo é o que nos resta. E o que merecemos.

Eu explico.

Esquecemos que há bem pouco tempo tivermos uma abertura política, onde partidos de todas as formas e correntes se formaram em uma democracia frágil, que ressurgia depois de um período obscuro e que não soubemos valorizá-la.

Professores de história e afins podem se sentir “mordidos”, mas promoveram, em nome da tal democracia e com os partidos de uma esquerda mal acabada, uma mudança na Constituição que prometia ser este - quando a tal Carta Magna passasse a valer – o melhor país do mundo para viver.

Esqueceram que o Estado sempre deve, em todas as democracias, estar a serviço do cidadão e não o cidadão ao seu serviço.

E promoveu-se, no país, por conta disso, uma desvairada correria em torno do meu. Tudo é direito. Pouco é dever.

Aí que demorou em cair a casa.

Primeiro, pela legislação eleitoral que permitiu a total prostituição de pequenos, médios e grandes partidos, em troca de interesses pessoais. Levou o país à bancarrota política, na troca de favores por tempo em horário político.

Perdemos Ulisses Guimarães. Nunca se falou em investigação séria sobre o ocorrido.

Tivemos, neste meio tempo, Tancredo, favorecido por um partido até então de oposição e que promoveria mudanças.

De quê mesmo?

Morreu Tancredo, por uma diverticulite.

De quê mesmo?

E o caminho seguiu. E as regalias aos políticos só aumentaram.

E elegeu-se um. Corrupto. Povo nas ruas. Pedimos seu impeachment por uma Elba.

Entrou o vice. Saiu para dar lugar ao socialista FHC.

Reinou absoluto. O verdadeiro socialista de IPhone. Melhorias, avanços sociais. Estabilidade. Muito para o Estado e pouco para o povo.

E nos grandes sindicatos do país, nas grandes centrais, um “esperto” negociando greves com as maiores empreiteiras do país. Tudo na mais absoluta “moita”. E se fazendo de santinho. Dizendo estar ao lado dos trabalhadores.

Aí foi uma, duas, três e na quarta se elegeu.

E levou consigo os mais “espertos intelectuais” do país.

E aumentou absurdamente os cargos de confiança do governo. E o seu partido tomou de salto o país. Governos estaduais, capitais, municípios de pequeno e médio porte, onde o funcionalismo público faz a diferença pela quantidade de votos e poder de mobilização.

E ganharam.

Ganharam muito. Dinheiro, poder, espaço. Podridão e nitroglicerina.

Resgataram uma terrorista, acusada de assassinar um soldado e saquear bancos, para substituí-lo na cadeira. E assim o foi.

No poder por quatro mandados no mais alto cargo do país, levaram junto o PMDB. Esse mesmo que agora dizem que promoveu um golpe democrático.

Foi Temer quem concorreu como vice-presidente na chapa de Dilma. Duas vezes. E o seu partido já estava lá quando Lula foi presidente. Todos no mesmo balaio. Se apoderaram, em acordos esdrúxulos, a Câmara e o Senado.

Tomaram de assalto o país, a nossa empresa de maior orgulho até então, a coragem e a vergonha de um povo sofrido.

Criaram até cota para universidade. Como se a cor da pele fosse o diferencial entre inteligência e competência.

E roubaram. Descaradamente.

Só de uma delação, foram 150 milhões. De dólares, pasmem.

E da Odebrecht? E da OAS? E das outras?

Nossa. O país foi saqueado de cima a baixo.

E alguns dos que se colocaram no caminho morreram. Pois é. Coincidência. Celso Daniel, Eduardo Campos, Teori.... Cruzes. É perigoso até de falar (aqui mesmo eles pedem a cabeça desavergonhadamente. Querem demissão, querem paredão). 

E negam. Negam mais que Judas. Mesmo sabendo que estão contrariando suas consciências, negam e querem provas. Destilam ódio dos que são contrários às suas convicções. Incrível isso.

A Lava-Jato, que é o sinônimo da tentativa de moralização do país, é falsa. Era, até quarta-feira.

Até quarta, a Globo, a mídia golpista, a imprensa era mentirosa. A partir da delação da JBS, passou a ser a mais fidedigna fonte de informação.

Desavergonhados.

Cadeia para todos.

Cadeia para Aécio, Temer, Lula, Dilma, Cunha, Calheiros, e toda a sua corriola.

Ou se desmonta de vez este esquema de corrupção e de corruptos, ou vamos todos para a cadeia.

Sim. Melhor seria nos trancafiarmos.

Entendam: Se estão lá, a culpa é nossa.

A culpa é dos brasileiros que, por um botijão de gás, por um pé de chinelo, por uns litros de gasolina, vendem seu voto a qualquer vagabundo.

E saímos a bradar que Temer foi golpista porque era vice e traiu Dilma.

Dilma, Lula, o PT, o PSDB, o PP, o PDT, o PCdoB, e todos os outros, traíram o povo. E nós os colocamos lá.

Cadeia para nós.

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito