MP Lafer – um britânico brasileiro

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Na semana passada e na anterior tratamos da história do Puma no Brasil, que esteve intimamente ligada com o Fusca. Hoje vamos tratar de outro lindo carro brasileiro que foi construído sobre a mecânica VW a ar, o MP Lafer.

Já falamos aqui que as décadas de 60 e 70 do século passado foram palco de várias expressões criativas essencialmente brasileiras na área automotiva. Um típico exemplo disso é o MP Lafer.

A história conta que seu criador, Percival Lafer, era dono de uma fábrica de móveis. Um dia, um funcionário da sua fábrica foi trabalhar com o carro da esposa, um pequeno esportivo britânico um MG TD ano 1952. Percival achou tão interessante o carrinho inglês que decidiu produzí-lo no Brasil. Após descobrir que a distância entre-eixos do MG TD e do Fusca era idêntica e sabendo da confiabilidade, robustez e manuntenção barata da mecânica VW, decidiu por montar uma carroceria de fibra de vidro sobre o chassi e mecânica do Fusca. Apresentou seu protótipo no salão do Automóvel do Brasil em 1972 e começou a comercializá-lo em 1974.

Embora o motor do Fusca, de 4 cilindros arrefecido a ar e 52 cv não fosse exatamente esportivo, o baixíssimo peso da carroceria de fibra e suas linhas retrô, onde os cromados e os detalhes como painel em madeira, grandes faróis redondos destacados e o fino acabamento dos detalhes casava perfeitamente com a capota retrátil e o para-brisas basculante. O MP Lafer marcou sua época como sinônimo de requinte e esportividade.

Todo o projeto foi muito bem pensado e os carros eram montados de forma quase artesanal, mas com muito cuidado e qualidade. O motor VW a ar notadamente barulhento, foi isolado em seu compartimento por uma dupla parede de fibra. Assim, o MP Lafer era naturalmente muito mais silencioso que o Fusca. Ainda falando do motor, o seu alojamento foi desenhado para além de suprimir o som, impedir a entrada de água e poeira e garantir a máxima refrigeração, o que garantia longa vida ao propulsor.

O porta-malas, posicionado a frente, acomodava o estepe, tanque de combustível e bateria, além de comportar com facilidade a bagagem de duas pessoas.

Como todo bom esportivo dos anos 70, o MP Lafer contava com apenas 2 lugares. Os bancos eram muito confortáveis e anatômicos. No compartimento atrás dos bancos havia espaço ainda para mais alguma pequena bagagem.

O painel de muito bom gosto, montado em uma placa de madeira de lei, contava com vários mostradores, como marcador de nível de combustível, velocímetro, odômetro total, tacômetro (contagiros) e lâmpadas piloto do alternador, pressão de óleo, indicadoras de direção e farol alto. Eram opcionais manômetros de pressão de óleo, temperatura e bateria. O volante esportivo e a alavanca de marchas bem à mão aumentavam a sensação ímpar de dirigir o MP Lafer. Além disso tudo, o conjunto todo era muito bem acertado, destacando-se a facilidade de manobras e a ótima dirigibilidade.

Em 1978 algumas alterações estéticas foram introduzidas e o modelo passou a ser chamado de MP Ti. Os cromados foram substituídos por uma pintura preto-fosca. Os novos pára-choques, feitos de fibra de vidro, acabaram destoando do conjunto. Uma segunda alteração, algum tempo mais tarde, trouxe novos faróis retangulares e uma nova grade frontal. Essa aparência mais agressiva e moderna reascendeu o interesse pelo carro e desfez-se assim a ligação com o MG britânico. O MP Ti era um genuíno Lafer.

Entre 1974 e 1990 um total de 4300 automóveis MP Lafer foram produzidos. Dentre esses, 1000 foram especialmente montados para exportação.

 

Leia Também 3º Domingo do Tempo Comum. Que seja feita justiça no caso “Lula” “A verdade vos libertará” (João 8, 32) Absolver é dar um viva à imoralidade