Demitido por vender vacina da gripe A

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

O controle da distribuição de vacinas contra a gripe A é um fiasco. Boa parte dos nossos leitores aqui já deve ter ouvido falar de famílias que foram vacinadas porque o servidor (a) lá do posto de saúde levou vacinas para casa, para o pai, a mãe, os irmãos, para o namorado, para a namorada, para os filhos e para os amigos. Como pode retirar as vacinas, que são bens públicos, lá do seu setor? È a prova de que o controle, em alguns casos, inexiste. Não teria que fechar o número de vacinas recebidas no posto com o número de fichas de pessoas vacinadas? Não! Não, porque não há controle.

Num município pequeno da nossa microrregião, um servidor concursado está afastado e deverá ser demitido definitivamente após o procedimento administrativo legal, por vender as vacinas recebidas na Secretaria Municipal da Saúde. Foi filmado vendendo e denunciado. A polícia está tomando depoimentos na cidade.

O negócio é lucrativo. Nas clínicas, uma vacina custa entre R$ 100,00 e R$ 120,00. Vai comprar vacinas para uma família de quatro pessoas, e lá se vão quase R$ 500,00. Então, o pessoal rouba as vacinas do setor onde trabalha e vende ou distribui para os familiares e amigos.

Conselhos municipais de saúde, secretarias municipais de saúde, Ministério Público, polícia civil, devem agir. Não é possível que prossiga essa farra.

Em primeiro lugar não deveria ter seletividade. O governo federal mandou fazer 60 milhões de doses. Somos em 200 milhões de brasileiros. Portanto, resolveu distribuir somente para os chamados grupos de riscos. Mas como o controle é precário, gente fora dos grupos recebe as doses porque tem amigos e amigas trabalhando no setor.  

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito