A vivência e o conhecimento

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe

As relações entre conhecimento acadêmico, formal ou teórico com o cotidiano vivido precisam de aproximação e de conexões. O distanciamento entre estas duas dimensões é justificado e praticado por inúmeras teorias do conhecimento.  Nas justificativas está incluído, por exemplo, a necessidade de se afastar do objeto analisado para construir um entendimento mais adequado do mesmo.

Em outras palavras, as análises sobre as formas adequadas de construção do conhecimento, que recebem o nome de epistemologia, indicam a importância do distanciamento e da diferenciação. No entanto, o objeto, a situação problema ou o fenômeno a ser conhecido deve estar presente, como ponto de partida e como horizonte. Esta desconexão se apresenta em ciências como a da justiça, da economia, da pedagogia, da psicologia e da segurança.

A proliferação de novas áreas de conhecimentos, a falta de diálogo entre elas e o distanciamento do mundo vivido, podem ser apontados como fatores de obsolescência das mesmas. Esta desconexão ou a conexão com uma parte pouco representativa, inviabiliza o diálogo com as situações problemas centrais para o desenvolvimento humano saudável. Entre os problemas que devem ser postos com ponto de partida para construção dialógica do conhecimento, está o fenômeno da segurança.

Convido os interessados em vivenciar e conhecer mais este tema, para uma roda de conversa e lançamento de um livro, dia 10 de junho, às 10 horas, na Livraria Delta, situada na rua Paissandú, esquina com a rua Fagundes do Reis.

Foto: https://www.editoracrv.com.br/produtos/busca?assunto=israel+kujawa

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito