Clima cobra caro pela falta de consciência

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

É triste o que o aguaceiro provocou em Passo Fundo e em muitos outros municípios do Estado e até fora, no nordeste, por exemplo. A água invadiu casas, fez subir o leito dos rios, destruiu muros, eletrodomésticos foram danificados, espalhou medo e desespero. As projeções climáticas apontam que fenômenos como este serão cada vez mais frequentes, então precisamos, além de nos preparar para enfrentar, modificar a consciência e comportamento. Às vezes uma simples atitude de colocar o lixo, no lixo, pode evitar problemas maiores. Boca de lobo entupida principalmente por sujeiras que vem das ruas, largadas por nós mesmos. Vejam os rios, onde as pessoas despejam resto de materiais de construção, entulhos, tudo que é tipo de lixo e até móveis. Quando ocorrem dias ininterruptos de chuva, como agora, o clima cobra a falta de consciência e de educação com o meio ambiente.

 

Desapropriação de área pública era prevista há bastante tempo

O cumprimento de uma ordem judicial de despejo, numa área pública, pertencente à Codepas, nos fundos do Parque da Efrica, gerou uma polêmica desnecessária. Se as pessoas que estavam lá, compraram na boa fé os lotes e não tem para onde ir, merecem toda a atenção do poder público, mas isso não justifica concordar que permaneçam no local. Esse processo corre a mais de 10 anos, as famílias foram notificadas ainda em 2016 que teriam que sair. Acontece que a nossa cultura é de “empurrar com a barriga” e sempre pensar que as coisas não irão acontecer. Não houve injustiça por parte da Codepas neste caso, se houve os prejudicados devem procurar os seus direitos, mas cobrar de quem os enganou, no caso quem vendeu uma área que não era sua.

 

Redes sociais virou território de covardes

Impressionante a quantidades de Fakes nas redes sociais, onde pessoas de má índole e covardes se escondem para comentar as maiores besteiras possíveis e criticar situações e pessoas. São pessoas doentes e sem uma ocupação útil, ou seja, que tem tempo para ficar cuidando a vida dos outros e opinando sobre tudo. Por isso, é preciso estar atento, tem muita mentira na rede e as pessoas não podem formar opinião por aí. Sempre tem interesses por trás. Neste sentido também crescem as ocorrências para que a polícia investigue e identifique os verdadeiros autores de calunias virtuais, o que é possível. Pela mesma razão, corremos o risco de perder algumas ferramentas que foram criadas para facilitar a comunicação e fazer o bem.

 

Dizem por aí... Que se não fosse às redes sociais, muitas pessoas já teriam cometido suicídio, por não terem onde “despejar” o seu veneno. Será verdade?

 

 

Leia Também Primavera Matam a educação pública, aos poucos! A periferia como lugar de atenção da Igreja Católica de Passo Fundo Orgulho Gaúcho