Carro-forte de passeio

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Continuando nossa incursão pelo mundo aircooled fora da VW, onde já passamos pelo Puma e pelo MP Lafer, hoje temos em pauta um carro muito peculiar de uma fabricante que marcou a história automobilística do Brasil.

O GURGEL X-15 era um utilitário misto com cara de poucos amigos, muito robusto e montado com um motor boxer refrigerado a ar, o mesmo dos Fuscas e Kombis. Foi comercializado pela lendária fábrica do engenheiro e visionário João Gurgel, falecido em 2009.

Inicialmente projetado para o transporte militar de tropas, rapidamente se destacou como uma alternativa mais leve, ágil e econômica que os caminhões utilizados na época, sendo logo em seguida oferecido também em versões civis.

Seu visual nada convencional impressionava. As formas quadradas e o enorme para-choques dianteiro (sempre na cor preta) davam um ar intimidador ao utilitário, que não passava despercebido.

Diversas características o tornaram um carro curioso, como os para-brisas com vidros de tamanhos diferentes (na primeira versão), o guincho na parte da frente e o estepe, galão de combustível reserva e filtro de ar do motor expostos na parte traseira. As 4 portas eram idênticas, uma opção inteligente para a redução dos custos de produção.

Originalmente vinha equipado com um tanque com capacidade de 70 litros de gasolina, mas também podia ser encomendado para ser montado com um tanque de até 140 litros. O consumo girava em torno dos 6 km/l na cidade e no máximo 10 km/l na estrada, o que era bem aceitável se comparado aos rivais (caminhões GM, Ford e algum Dodge) de motores 6 ou 8 cilindros.

Da mecânica VW utilizava ainda, de 1979 a 1980, as caixas de redução que as Kombis haviam abandonado em 1975. Os modelos 1981 já viriam montados com homocinéticas, sistema mais confiável, menos barulhento e de manutenção mais fácil.

Media de uma ponta a outra quase 3,8 metros mas compensava todo esse tamanho no baixo peso, 1090 kg, derivados do chassi em “Plasteel” (concebido pelo próprio João Gurgel e que era uma união de plástico e aço que aliava alta resistência a torção e difícil deformação) e da carroceria de plástico reforçado com fibra-de-vidro.

Com um visual tão marcante, não lhe faltavam apelidos nas ruas, sendo que era comumente chamado de “carro-forte de passeio”.

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito