O cinquentão Sgt. Pepper’s

Postado por: José Ernani Almeida

Compartilhe

Neste 1º de junho foram lembrados os 50 anos do lançamento do antológico disco Sgt.Pepper’s Lonely Hearts Club Band pelos Beatles, um marco definidor da música, da cultura e do comportamento do século 20. O primeiro álbum dos Beatles havia sido lançado em 1963, “Please Please me”. Alí estava começando uma era, um estilo, um modo de entender a vida. A música nunca mais seria a mesma. Não se trata de uma frase apenas altissonante ou exagero, mas os Beatles realmente significaram o início de um novo tempo para a música mundial.

Eu os ouvi pela primeira vez na extinta Rádio Municipal, onde o inesquecível Dino Rosa apresentava aos domingos o programa “Os Campeões da Semana”, que tocava as músicas de maior sucesso na época. “Love me Do” era o grande hit.

Em 1966 ingressei na rádio Passo Fundo, também extinta. Foi lá que tive o privilégio de ter contato com o Lp Sgt. Pepper’s e de mostrá-lo aos ouvintes. Em 1969 integrei a primeira equipe da Rádio Planalto, que revolucionou o rádio passo-fundense, se notabilizando pela qualidade de sua programação musical. Sgt.Pepper’s tinha lugar cativo em todos os programas da emissora.

O álbum dos Beatles foi o primeiro disco conceitual da história, em que todas as canções estavam subordinadas a uma mesma ideia – um espetáculo da banda do Sargento Pimenta.

 Na época, o mundo vivia em transe: a guerra do Vietnã; a vitória de um conservador nas eleições americanas, Richard Nixon; no Oriente Médio, crescia a tensão entre Israel e seus vizinhos árabes, que logo levaria à Guerra dos Seis Dias; na América do Sul, Che Guevara buscava estabelecer uma base guerrilheira na Bolívia; aqui no Brasil, Marighella formava a aliança de Libertação Nacional e partia para a ideia da luta armada contra a ditadura militar.

Era um mundo em ebulição que o disco dos Beatles retratou de forma genial. Ele tem a magia da permanência. Veio vindo conosco, ao longo de cinco décadas, passando a fazer parte da nossa bagagem e nos devolvendo a tempos passados, como uma espécie de máquina do tempo.

Em função disso é considerado como o mais importante álbum da história da música pop. Ele afetou a vida  de toda uma  geração. Já vendeu, segundo um levantamento de 2011, 32 milhões de cópias em todo o mundo, ocupando a 14ª posição entre os discos mais vendidos da história. No Brasil, influenciou os tropicalistas da década de 1960. Caetano, Gil e os Mutantes beberam da água desta fonte.

Hoje, quando vivemos uma época de verdadeira indigência em termos de qualidade na música brasileira e internacional, ouvir Sgt.Pepper’s é um verdadeiro lenitivo.

Sou cada vez mais obrigado a concordar com o inesquecível Belchior: “nossos ídolos ainda são os mesmos e as aparências/As aparências não enganam não...Você diz que depois deles não apareceu mais ninguém”.  Diante da pobreza musical destes tempos, afirmo alto e bom som, sem nenhum constrangimento ou mania de passado: “depois deles não apareceu mais ninguém”.

 

Leia Também William II Elo passado-presente-futuro Sujeito descansado Maneiras de usar o floral nesse verão 2018