Um povo corrupto e sem ética

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

O povo brasileiro, que tanto pede pela prisão dos corruptos, pela limpeza na política brasileira, é, sem exceção, um pouco corrupto também. Ou muito corrupto.

Todos os dias, em algum lugar, em alguma situação, você dá sinal de que a corrupção está inerente ao ser brasileiro. Seja desviando um real, um milhão deles, um papel de bala na rua, uma bituca de cigarro. Enfim, pregamos aquilo que queremos que os outros sejam, mas somos iguais.

Somos os melhores motoristas do mundo. Nas ruas, seja como motorista, seja como pedestres, pensamos que o mundo gira em torno de nossa pessoa. Somos os primeiros a meter o pé em cima da faixa de segurança enquanto o sinal está fechado, os que buzinam para o carro da frente se demorar em arrancar, os que querem chegar primeiro.

No início desta semana, ao entrar em uma agência lotérica, deparei-me com a seguinte situação: A máquina que distribui senhas indicava a normal e a preferencial. Retirei a minha normal e olhei em volta. Mais de 15 pessoas, alguns idosos, outros mais jovens, e uma mulher com uma criança de colo e outra de uns quatro ou cinco anos, sentada na primeira fila. Logo ao lado, na fila lateral, um homem bem vestido, usando o celular. Provavelmente em uma rede social pela internet.

O tempo passou, as atendentes super educadas, e a fila andando. Até chamarem o número tal. Aí o “bem vestido” pegou do colo da mulher a criança mais nova e foi para o caixa.

Revoltante.

Queremos cobrar dos outro aquilo que não fazemos, ou tentamos levar vantagem sempre.

A famosa e tripudiada Lei de Gérson ainda vale, e os brasileiros, que acharam, na boa época da Seleção Brasileira de 1970, que a Lei da Vantagem era coisa normal, perpetuaram esta coisa que se transformou na mais pura falta de ética, de valores, de corrupção.

Portanto, somos todos corruptos. Em níveis ou graus mais altos ou mais baixos. Mas somos.

Mais exemplos?

O Brasil é um país onde a corrupção e a falta de ética começou antes mesmo da colonização. Só criticar os portugueses da Coroa, no entanto, não vale. Até porque a corte não sabia dos “sacanas” que aprontavam.

Além da velha e detestável lei da vantagem, nós ainda somos egoístas. E, na maioria das vezes, aproveitadores.

É vergonhoso você ver, no horário político ou em alguma eleição, até para síndico do prédio, alguém se propor ao cargo atribuindo-se honestidade. Como se ética e honestidade fossem virtudes do brasileiro.

Não. Redondamente errado.

Ética é um atributo que poucos brasileiros têm. Não gostou disso? Então pense em quantas vezes você jogou o toco do cigarro na rua. O papel de bala. Quantas vezes furou uma fila, seja no cinema, seja no mercado, seja no banco.

Quantas vezes passou por aquele pé de laranja do teu vizinho, cujas frutas estavam para a rua, e apanhou uma para você?

E aquele dinheiro que a pessoa deixou cair, você devolveu?

E aquele voto que deste para o vereador, prefeito, deputado? Convicção?

E queremos cobrar de Brasília menos corrupção e mais transparência.

Ora, somos todos iguais.

Enquanto o modelo educacional não mudar, enquanto o sistema político não mudar e, principalmente, enquanto a mentalidade de nós brasileiros mudar, não seremos um país de ética, transparência e honestidade.

Infelizmente, somos um povo corrupto, corruptível e sem ética. 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito