Corpus Christi

Postado por: Dom Rodolfo Luís Weber

Compartilhe

Na próxima quinta-feira, a Igreja Católica celebra solenemente o “SANTÍSSIMO SACRAMENTO DO CORPO E DO SANGUE DE CRISTO”, solenidade também conhecida com o nome latino Corpus Christi. A oração da coleta da missa do dia, que é feita antes da leitura dos textos bíblicos, reza assim: Senhor Jesus Cristo, neste admirável sacramento nos deixastes o memorial da vossa paixão. Dai-nos venerar com tão grande amor o mistério do vosso Corpo e do vosso Sangue, que possamos colher continuamente os frutos da redenção. Vós, que sóis Deus com o Pai, na unidade do Espírito Santo”.

Esta breve oração nos introduz no universo belo, grandioso, transformador e misterioso do Santíssimo Sacramento. O Corpo e o Sangue do Senhor é um alimento abundante e nutritivo que, necessariamente, deve se transformar em amor e compromisso com o próximo.

Como cristãos somos peregrinos neste mundo. Necessitamos alimentar-nos cotidianamente. Jesus se ofereceu como alimento e bebida: “tomai e comei”; “tomai e bebei”. É um alimento muito peculiar que não pode ser guardado ou estocado. Precisa ser buscado e consumido diariamente, se assim não for, volta ao doador.

Como assim? O maná providenciado por Deus ao seu povo no êxodo nos faz entender o que foi dito. Vale a pena ler todo capítulo 16 do livro do Êxodo, do qual ressalto os versículos 16-24: “Eis o que o Senhor vos mandou: Recolhei a quantia que cada um de vós necessita para comer... Uns recolheram mais, outros menos. Mas depois, ao medirem as quantias, não sobrava a quem tinha recolhido mais, nem faltava a quem tinha recolhido menos.... Moisés lhes disse: ‘Ninguém guarde nada para amanhã’. Alguns, porém, desobedeceram a Moisés e guardaram o maná para o dia seguinte; mas ele bichou e apodreceu... Manhã por manhã, cada qual ajuntava o maná que ia comer.”

Cada vez que nos aproximamos do alimento eucarístico precisamos estar com fome, pois gastamos tudo o que recebemos anteriormente. Se fomos alimentados da misericórdia do Senhor, precisamos gastar em obras de misericórdia. Se fomos alimentados com palavras de justiça, gastemos o que recebemos sendo justos. Assim podemos enumerar todas as graças e bênçãos possíveis que o Senhor concede. O maná do deserto guardado para o dia seguinte, bichava e apodrecia; o alimento eucarístico que foi recebido e que não foi gasto, isto é, não se transformou em obra de amor ao próximo, o Senhor o vai pedir de volta.

Na hora das oferendas da celebração eucarística são levados ao altar pão e vinho. Na invocação do Espírito Santo se pede para que sejam santificados para se tornarem para nós o Corpo e Sangue de Jesus Cristo. Temos aqui um ato de comunhão com Deus e de partilha e compromisso com os irmãos, sobretudo os mais pobres que necessitam tanto de pão como dos direitos fundamentais. A eucaristia se torna a fonte da moral e da ética cristã. O pão e o vinho, isto é, os frutos do trabalho humano oferecidos no altar do Senhor, retornam a quem os ofereceu. Deus alimenta o doador dos dons. O alimento volta transformado, pois agora é o corpo e sangue de Cristo. Consumido gera vida, comunhão, fraternidade e partilha.

 

Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo
09 de junho de 2017

Leia Também 3º Domingo do Tempo Comum. Que seja feita justiça no caso “Lula” “A verdade vos libertará” (João 8, 32) Absolver é dar um viva à imoralidade