Escutar é a arte de aprender, ensinar e liderar

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

A ansiedade de ouvir as primeiras palavras de uma criança na idade própria é um exercício interessante, tanto para ser observado, quanto o ato de acompanhar detalhadamente.

Os pais, mais do que dominados pela ansiedade e expectativa, ficam perplexos e torcendo a cada movimento que a boca de uma criança faz a fim de ver se algo brota de interessante e as primeiras formas de comunicação falada tomam vulto e modificam totalmente as relações da família com aquele ser que tem o mundo a sua frente.

Os demais irmãos, primos, padrinhos, vizinhos e outros que estão à volta reagem a seu modo e ampliam a torcida. Deste a reação é diferente, embora a esperança seja dominada pelos mesmos sentimentos.

A fala nos torna capazes de interagir com os demais de forma autônoma, por que dizemos desde “ai” até “eu te amo” e tantas outras emoções, interesses e revoltas.

Entretanto, o silêncio é o contraponto da fala. Fazer silêncio é ter a capacidade de deixar de falar. Isso é complexo para os humanos, pode parecer até ridículo. Mas, é necessário.

O silêncio é uma atitude nobre. Pessoas que sabem calar são aclamados, destacados, imitados e, em muitas circunstâncias, chamados para grandes pronunciamentos.

As pessoas, na sua totalidade, imagino que como eu, já escutaram o conselho: “pense bem antes de falar”. Quando assim não agimos, as consequências talvez forma desastrosas. Ou estou errado?

O ato de escutar foi refletido desde a antiguidade e faz parte das atitudes dos homens e mulheres que fazem uma grande diferença na comunidade. Quem ao longo do tempo tem a característica de falar demais pode ser chamado de fofoqueiro (a) e, então, suas falas perdem o crédito. Aquele (a) que fala sobre tudo e sobre todos, não é levado a sério em nada.

No livro do Eclesiastes está uma reflexão interessante sobre o tempo. Diz o conselho: “há um tempo para cada coisa”. Neste contexto, podemos afirmar que é necessário um período longo de tempo para escutar quem fala (muito, pouco, ou comedidamente), quem faz silêncio, uma música (aqui é interessante escutar vários ritmos e sons), a natureza (vento, água, pássaros, as matas, os animais), a cidade com suas características encantadoras e desafiadoras (as pessoas falando muito e juntas, os carros, as motos, os ruídos), os pais e mães (há filhos que não mais escutam seus pais), os filhos (há pais e mães que não têm mais tempo para escutar seus filhos) e, assim, poderia enumerar muitas áreas que precisam ser ouvidas com atenção.

Os líderes, na maior parte das vezes, erram de forma grosseira porque não ouviram os seus liderados. É o caso do Brasil neste período de grave constrangimento nacional. Eles distanciaram-se dos anseios da população e pensaram apenas em si e nos interesses de quem os protegia. O cuidado com a circulação dos anseios e informações podem engrandecer um líder, o contrário causa a sua derrocada.

Sugiro a leitura do seguinte escrito:

http://www.lavozdegalicia.es/noticia/opinion/2017/06/16/escucha-virtud/0003_201706G16P16991.htm

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito