Quanto vale a sua biografia?

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe

Quanto vale a sua biografia?

 

Ao longo de nossas vidas, escrevemos página a página, a nossa história de vida, através de nossa autobiografia. De maneira despretensiosa e natural, as mais belas e inspiradoras histórias de vida, ficam gravadas na memória de um povo, de uma geração, como contribuição cultural, política e social.

Você já se perguntou, qual será o seu legado histórico de sua “breve” existência de vida, para a presente e futuras gerações? Ou simplesmente você acha que veio nesta vida para viver seus 70 ou 80 anos de existência, comer, dormir, ter sua vida anônima, personalíssima e nada mais? Infelizmente, boa parte de nossa sociedade contemporânea pensa assim. Vivemos a geração do “umbigocentrismo”, onde só me interessa o que afeta a mim diretamente, ou no máximo, ao que afeta a minha família. Algumas pessoas acreditam que se deixarem bens materiais aos seus herdeiros, isto já é o suficiente. Outros se preocupam demasiadamente com suas aparências, esquecendo-se de suas essências, onde a moral, a ética e os bons exemplos, deveriam ser prioridade. O grande legado deixado pelos grandes nomes que marcaram a história da humanidade, não são lembrados por heranças materiais, mas sim, por grandes feitos, por exemplos de vida, de conduta, de lutas por causas políticas, humanitárias e sociais. Homens e mulheres que se imortalizaram na história da humanidade. Foram pessoas que escreveram suas autobiografias, de maneira honrosa, ilibada, com valores imensuráveis ao plano material. Foram pessoas com grandes valores de caráter, que não tinham preço por suas convicções.

A sociedade brasileira está carente de pessoas com valores sociais, éticos e morais. A nossa política, assim como o Poder Público de um modo geral, precisa resgatar a sua credibilidade. A sociedade, com essência na família, precisa fazer uma reflexão, uma autocrítica sobre os valores aos quais estamos nos declinando. Que tipo de exemplos estamos dando aos nossos filhos? Que legado iremos deixar a eles como exemplos a serem seguidos? Estamos fazendo a nossa parte enquanto pais, educadores e cidadãos? A resposta a todas estas perguntas é peculiar a cada um. A nossa consciência é que irá nos julgar. As páginas do livro de nossas vidas estão em branco, você pode escrever sua autobiografia, como você quiser, embora o final seja o mesmo para todos nós, o enredo de nossas histórias são personalíssimos, e, cada um escreve a sua história como melhor lhe convir, com seu senso de valores e com o livre arbítrio que nos é dado.   

O maior legado que um pai e uma mãe podem deixar aos seus filhos, está desvinculado das questões materiais, financeiras. O maior legado é fruto do comportamento, da conduta ilibada, justa e honrosa, que venham a dar orgulho aos seus descendentes e patriotas de uma Nação.

“Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe”. Oscar Wilde

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito