A sociedade e os jovens!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Estamos participando de um período histórico de grandes carências. Nossa sociedade é carente e sobrevive gerando carências. Quer dizer que a nossa organização social não tem conseguido prover a população nas suas necessidades básicas. A cada dia que passa aumentam os não cidadãos. A sociedade de carências põe em evidência a vulnerabilidade social de alguns grupos sociais. Destaco aqui os jovens.

Pode parecer paradoxal, mas uma faixa etária onde o vigor físico, os sonhos e a liberdade parecem ilimitados, convive com situações de extrema fragilidade. Isto porque as características acima elencadas, ficam atrofiadas pelo contexto social que não dá chance para os jovens desenvolverem suas potencialidades.

Junto com as chances limitadas vê-se sinais explícitos de degradação da juventude. A maioria da população carcerária é composta de jovens com menos de 25 anos; os contaminados pelo vírus HIV são na sua maioria jovens; o percentual maior de desempregados está entre os jovens (já mencionado em artigo da semana passada); a rotatividade de mão de obra mais alta está entre os jovens. 

São fenômenos sociais graves em que costumeiramente se joga a carga de responsabilidade sobre os jovens, especialmente a partir de um juízo moral dos fatos, sem buscar outras conexões.  A mesma sociedade que critica o consumo de bebida alcoólicas e outras drogas licitas e ilícitas por parte da juventude não concorda com um processo de taxação mais severo destes produtos. Estamos em uma sociedade doente que encarcera, vicia e marginaliza na ilusão de se auto proteger.

Uma vasculhada na história fará perceber que foi através dos jovens que surgiram processos revolucionários que marcaram o mundo. Francisco de Assis, ainda jovem, mudou a sua vida e propôs outra forma de relacionalidade humana e com o mundo criado.  O jovem Buda foi corajoso suficiente para abandonar o palácio real e as comodidades para sair em busca do que compreendia como perfeição humana. Os jovens têm liderado, atualmente, movimentações de contestação a um modelo político que mescla corrupção explicita com desrespeito aos direitos da população.

Estes fatos da história revelam o poder de articulação e transformação social da juventude. Contudo a sociedade não pode olhar os jovens com menosprezo, mas ter a humildade de reconhecer que pode aprender com eles. 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito