Liturgia do 15º Domingo do Tempo Comum.

Postado por: Maria Vani Gehlen Ramos

Compartilhe
Mais uma semana que chega ao seu término e somos, mais uma vez, convidados a professarmos nossa fé p´publica junto à comunidade cristã. Todos somos convidados para celebrar a Santa Eucaristia e ouvir a Palavra de Deus. Renovar nossos propósitos e fortalecer a esperança e a fé para um novo recomeço. Cada dia, cada semana é um presente de Deus. Honra e louvor ao nosso Criador.
O Evangelho de Jesus Cristo, segundo evangelista Mateus 13, 1-23 nos apresenta a parábola do semeador. A semente que é lançada em diferentes terrenos e como esta poderá germinar. Jesus nos explica, com a imagem do semeador, como pode crescer o Reino de Deus. A Palavra não surte efeito somente sendo proclamada, mas ainda, ser aceita com liberdade e colocada em prática. Nos dias atuais e num mundo como o de hoje não podemos ter certeza de que a semente germinará. Entretanto, necessita ser lançada em todos os terrenos. Assim como o semeador, ao lançar sua semente, tem esperança de que ela germine, cresça e dê frutos. Assim, também, acontece com aqueles que propagam o Reino de Deus, que levam o Seu Evangelho, a Sua Palavra, e esperam, pacientemente que seja acolhida e que dê frutos para um mundo melhor, mais humano e mais fraterno. Mesmo a custa de muitos sacrifícios e incertezas precisamos semear, sempre. 
Podemos ver, com tristeza e temor que hoje a semente é muitas vezes fraca e já vencida e o resultado deixa a desejar. Como o semeador ao plantar a sua semente, também nós, com esperança, lancemos a semente para que o Reino de Deus seja possível. 
Que aos poucos e com persistência, malgrado os pássaros, os espinhos e as pedras, a obra do Senhor seja cumprida
Cabe-nos lançar a semente, com paciência e esperança
Lucas 8,8 - A semente caiu em terra boa, tendo crescido, produziu frutos.
Cuidemos quais as sementes serão lançadas na semana que iniciamos. 

Leia Também 3º Domingo do Tempo Comum. Que seja feita justiça no caso “Lula” “A verdade vos libertará” (João 8, 32) Absolver é dar um viva à imoralidade