A ideologia e os fatos

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe

O comportamento humano é influenciado por um conjunto de ideias, que estão sintetizadas no conceito de ideologia. Com um nível maior ou menor de consciência, seguimos modelos teóricos que são materializados no modo de descrever a si próprio os outros e a sociedade em geral. O reducionismo imediatista de etiquetar a realidade a partir de conceitos, sem materialidade, desorienta entendimentos e comportamentos. Este reducionismo provoca divisões e polêmicas, a partir de falsos problemas apresentados como causa generalizada do conjunto das dificuldades.

Para superar os equívocos e desorientações, se faz necessário uma leitura adequada do que é apresentado como problema, ultrapassando os limites da aparência. Este exercício exige capacidade de localizar as informações no tempo e no espaço presente, relacionando com o passado e com projeções para o futuro. O contexto da década de 1960, por exemplo, é valioso para entender o contexto da década atual. As reformas na educação básica com a diretrizes da universalização e da emancipação, bem como a reforma agrária foram etiquetadas de populistas e comunistas, se apresentado como uma ameaça que provocou divisões e confrontos, culminados no que foi, na época, chamado de revolução e hoje é identificado como ditadura.

A ditadura militar ocorrida no Brasil, a exemplo de outros países da América Latina, como no Chile, foram divulgadas e “vendidas” como alternativa indispensável para eliminar a desordem e as ameaças do populismo e do comunismo, que estavam se instalando. Com a justificativa da necessidade de eliminar este problema, reestabelecer a ordem e a segurança, os direitos sociais foram reduzidos e as liberdades individuais foram extintas. No entanto, a reconstrução do conjunto das ações vinculadas com estas ditaduras, demostram que as mesmas decorrem da estratégia orquestrada pelo governo norte americano para impor os próprios interesses. Do mesmo modo, a restrição do direitos sociais e trabalhistas impostas como indispensáveis, no momento atual, escodem a estratégia de aumentar os lucros e a concentração da renda dos grupos sociais que são historicamente privilegiadas pelas leis e pela organização econômica.

Um leitura profunda dos fatos passados, que ultrapasse o limites de uma ideologia, é indispensável para a construção descrição não reducionista, que provoca falsas generalizações do presente. As declarações do economista Paulo Rabello de Castro, atual presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDS), após um estudo do funcionamento e das ações desta importantíssima empresa estatal, demonstram que a ideologia esconde a realidade dos fatos, provocando falsos debates e falsas polêmicas. Diferentemente da ideologia defendida por jornalistas formadores de opinião que orientam comportamentos, os resultados da investigação feita nesta instituição pública demonstram que mesma foi falsamente caracterizada como estatal corrupta.

 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito