Conhece overtraining?

Postado por: Angela Pellicioli

Compartilhe

Overtraining é um termo utilizado no ambiente esportivo para designar excesso de treinamento, quando o individuo não respeita sua recuperação e treina de forma inadequada, principalmente quando não tem planejamento ou todos os treinos são realizados sempre em alta intensidade.

É mais comum do que se imagina acontecer overtraining, e não adianta falar, “comigo isso não acontecerá”. Todos que treinam e não respeita a recuperação do seu corpo pode entrar em overtraining, muitas vezes isso acontece e o atleta não percebe que entrou, pois a combinação de algum desses sintomas já o denomina como overtraining:

Sintomas fisiológicos: diminuição de performance, diminuição de força, diminuição de peso, alteração da frequência cardíaca, diminuição da massa muscular e fadiga crônica.

Sintomas bioquímicos: diminuição do glicogênio, diminuição da glicemia, diminuição do lactato, diminuição da testosterona, diminuição da catecolaminas, diminuição do cortisol, diminuição do estradiol.

Sintomas psicológicos: apatia, irritabilidade, depressão, diminuição do apetite, sono, humor.

Sintomas imunológicos: aumento das infecções, aumento das citocinas, febre, diminuição da glutamina. (ROGERO, MENDES. Aspectos neuroendócrinos e nutricionais em atletas com overtraining.2014.

 Muitos desses sintomas não sentimos de forma direta, o que acontece que o nossos corpo nos alertará que algo está errado, através dos sintomas fisiológicos, psicológicos e em formato de lesão. Temos que interpretar o que nosso corpo está dizendo e respeitar o(s) profissional (is) que estão preservando nosso corpo e estudaram para preservar e propor rendimento como, uma balança.

Observo diversos casos e perguntas surgem dos alunos sobre treinos leves, treinos regenerativos, ou intensidades diferentes conforme a semana. A pergunta não é tão simples de responder, não existe uma fórmula mágica, para cada pessoa tem uma estrutura diferente de treino através dos seguintes fatores: volume, intensidade, periodização (macrociclo, mesociclo, microciclo, sessão de treinamento), uso de treino de força, velocidade, resistência, educativos, alongamentos, reforço muscular. Se individualmente o atleta rende mais com treino: longo, tiro, intervalado, fartlek, descanso ativo, manutenção, continuo, entre outros.

Entenda, a importância de comunicar ao seu treinador quando um dos sintomas citados acima está lhe incomodando, pode ser que esteja entrando em overtraining. Saiba que se você não diminuir a intensidade da planilha agora, daqui pouco você precise parar definitivamente de treinar por teimosia, o que acontece muitas vezes. Sua saúde e vida útil de corredor em jogo. A decisão está em suas mãos.

Leia Também A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais” Passo Fundo Futsal/Fasurgs/Zamil: uma grande equipe nos representou em 2017 A Taça Maldita!