Esquerda e direita – saudades e compromisso

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

Houve épocas em que ser chamado de direita ou de esquerda era sinônimo de orgulho, constrangimentos, desprezos ou até motivo para brigas. Sem querer esclarecer o que significa as expressões, estas linhas têm o objetivo de clamar pela necessidade de posicionamento claro sobre as questões que ocorrem no cotidiano das nossas relações e, com maior intensidade, sobre os temas da política.

As pessoas que tinham coragem, convicção e projeção social e política para se auto definir como filiado ou simpatizante da direita ou da esquerda ofereciam debates acalorados e comentários posteriores com inúmeros e bons aproveitamentos. Estes ajudavam a esclarecer pontos de vista analisados com as necessárias convicções ideológicas e leituras de livros, artigos e citações de pensadores, escritores e outros da maior relevância e respeito público.

Por exemplo, quem rejeita um debate sério sobre uma decisão justa segundo orienta Adam Smith, Karl Marx ou Robert Nozick? E mais, quem abandona uma exposição clara sobre as diferenças e convergências entre capitalismo, socialismo e comunismo? Mais uma: qual cidadão com um mínimo de esclarecimento despreza um bom comentário sobre vantagens e desvantagens da economia de orientada pela liberdade mercado ou aquela dominada pelo Estado forte.

Na época, tanto quando hoje, o que torna essa dinâmica amarga e desprezível é o fanatismo. Quem teve a oportunidade de trabalhar, conviver e “debater” com alguém assim entende o que estou expondo.

Pessoalmente, recordo com satisfação os estudos da época de faculdade entre grupos com rivalidade ideológica protagonizarem debates e estudos de espetacular esclarecimento.

No Brasil e em Passo Fundo de hoje, ser de direita ou de esquerda que diferença Faz? Daqui para lá e de lá para cá o caminho é o mesmo. Ao contrário de antes, a mediocridade aumenta. Por isso nos faltam bons líderes, posicionamentos de qualidade e ausência ou opções para boas escolhas e até mesmo para condições de escolha. 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito