Gato do mato é encontrado no Campus da UPF

Compartilhe
Fotos: Divulgação/UPF   Fotos: Divulgação/UPF 
Acadêmicos e professores do curso de Ciências Biológicas da Universidade de Passo Fundo (UPF) realizam, desde 2012, o monitoramento da fauna silvestre do Campus I, com objetivos de atender a questões legais e de conhecer as Áreas de Preservação Permanente (APPs). Em uma dessas atividades, no mês de julho, a equipe atualmente composta pelos alunos Carlos Toffolo, Caroline Formentini, Jhenifer Alflen, Julia Pacheco e Tauana Morés, sob orientação das professoras Carla Denise Tedesco e Noeli Zanella, registrou a presença da espécie Gato do mato pequeno (Leopardus guttulus).
No monitoramento, entre outras metodologias, o grupo acompanhou o uso de habitats pelos mamíferos com armadilhas fotográficas. “A armadilha fotográfica, como diz o nome, é um equipamento que fotografa e filma, acionado por sensores de movimento, que funcionam tanto no período diurno como no noturno, detectando a presença de animais”, explica a professora Carla.
Gato do mato pequeno 
A espécie registrada pela armadilha fotográfica na UPF é a menor dentre os felídeos do Brasil. Se alimenta de pequenos roedores, lagartos e pequenas aves. É encontrada numa grande variedade de ambientes: das florestas pluviais densas da Mata Atlântica e Amazônia às áreas secas quase sem chuva da Caatinga nordestina. Tem hábitos solitários, tipicamente noturnos e ou crepusculares.
De acordo com informações do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, embora possa ser encontrado tanto em ambientes conservados quanto em uma variedade de ambientes alterados, inclusive em áreas agrícolas, o felino apresenta uma grande associação com os remanescentes de vegetação natural. Sua classificação enquadra-se como categoria vulnerável no livro vermelho de fauna ameaçada de extinção no estado, conforme a Fundação Zoobotânica do estado do Rio Grande do Sul.
Segundo a equipe que realiza o monitoramento da fauna silvestre, as principais ameaças às populações são a perda e a fragmentação dos habitats naturais dos quais a espécie depende. “O encontro com a espécie reforça a importância da manutenção das Áreas de Preservação Permanente (APPs) e de corredores ecológicos, na região do Planalto. A Universidade está fazendo a sua parte identificando e conservando áreas que possibilitem a presença de animais silvestres, como a Reserva Particular do Patrimônio Natural UPF (RPPN/UPF), as áreas verdes e as APPs do Campus”, ressalta a professora Carla.


Leia Também IFIBE realiza seminário com a presença de Roberto Andersen Collor vira réu na Lava Jato Primeira parcela do 13º salário dos aposentados será paga no dia 25 Deputados podem votar hoje as mudanças no sistema eleitoral