Enquanto a chuva não vem

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

Durante o tempo de verão, nossos agricultores ficam olhando muito tempo para as nuvens que passam e não trazem a tão esperada chuva. O tema inicial de conversa, quando as pessoas se encontram, sempre é a chuva que falta, o medo da seca e a consequente perda das plantações. Em muitos lugares iniciam as rezas, as novenas e as promessas. Se a chuva vem em abundância existe uma explicação de que os pedidos vieram todos juntos, e quando não vem, há expli­cação para a seca: a humanidade mexeu demais na natureza, o desmatamento, o meio ambiente descuidado, e até castigo de Deus.

Numa comunidade fizeram uma novena pedindo chuva, fazendo diaria­mente uma procissão até uma gruta. No último dia, para encerrar a novena, convidaram o padre para rezar uma missa. Ao chegar pediu quem trouxe o guarda-chuva. Ninguém o tinha consigo. Foram todos repreendidos pela falta de fé, porque se acreditassem na virada do tempo, todos viriam prevenidos com o guarda-chuva.

Entre muitas famílias havia uma crendice: colocar um sapo virado, com uma pedra em cima. A chuva viria com toda certeza, em toda região. Todavia, queixavam-se que, depois de muita procura, ninguém havia encontrado um sapo. Acharam mais uma explicação: o veneno nas lavouras eliminou o batrá­quio e agora vêm as consequências desse desrespeito à natureza.

Em outra comunidade as pessoas se queixavam que haviam feito uma no­vena de rezas e não veio chuva alguma. Investigada sobre a novena, sobre o modo de sua realização, descobriu-se que rezaram em alemão. Contam em Ernestina que o resultado foi uma enchente na Alemanha. 

Leia Também William II Elo passado-presente-futuro Sujeito descansado Maneiras de usar o floral nesse verão 2018