“Enquanto houver bambu, lá vão flechas”

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

A metáfora que titula a esta coluna nos recorda a responsabilidade para com as diferentes áreas onde atuamos e o combate incessante a todas as malversações que, operadas por políticos, líderes de qualquer setor, empresas, empresários e pelo Estado – este por meio da sobrecarga de impostos e o patrocínio sem limites da corrupção e das negociatas com operadas por meio das emendas parlamentares e outras que conhecemos ou não.

A declaração do Procurador Geral da República, em final de mandato, revela a necessidade do exercício da missão, vocação, profissão ou cargo até o último momento com dedicação, empenho, responsabilidade e altruísmo.

Os cargos de maior expressão em todas as instituições precisam ter a marca do empenho pessoal e da representatividade que ele impõe e os demais membros esperam da pessoa. Esta não precisa ter talento amplamente desenvolvido. Por outro lado, a evolução e o empenho na superação das limitações e o enfrentamento dos desafios não pode ser delegado.

Ao que parece, o procurador mencionado anteriormente compreendeu bem esta missão e o quanto o povo brasileiro espera das suas autoridades. Não deixou que o poder o encantasse e orientasse as suas ações.

A expressão acima clama pelo exercício do poder com galhardia e confiança.

Existem inúmeros exemplos de dedicação, coragem, amplo reconhecimento e exposição pública que merecem ser exemplos destacados em todas as áreas. Outros, com igual mérito, atuam a vida inteira no silêncio e sem visar os holofotes.

A educação para o caráter e a exposição pública não á algo do acaso, mas da construção de uma história que é impulsionada no seio da família e lapidada no decorrer da vida.

Há, entretanto, outros exemplos e destaques que podem ser mencionados e é exemplo em todas as circunstâncias. São aqueles gerados e criados em ambientes hostis e no decorrer na vida se tornam líderes e expressão de confiança.

O dever da denúncia e da investigação, próprias do Procurador Geral, precisa vir acompanhada da cooperação dos demais órgãos e da atenção participativa da sociedade.

Essa comunhão retrata a grandeza de uma pessoa e quanto uma autoridade merece o destaque de uma autêntica autoridade.

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito