XEF - mais um estranho com o coração do Fusca

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Em 1983 a Gurgel já era conhecida por alguns modelos “alternativos” lançados no mercado automobilístico nacional, mas o XEF foi o primeiro carro da empresa desenvolvido sob o conceito de carro de passeio.

Além de ser o primeiro carro de passeio da marca, o XEF também se encaixava no conceito de minicarro, pois, tinha impressionantes 3,12 metros de comprimento, ou seja, mais de MEIO METRO MENOR QUE UM FIAT 147.

Mas mesmo sendo um carro pequeno, o XEF era muito bem resolvido, o típico “pequeno por fora e grande por fora”. Os analistas automotivos da época destacavam o grande espaço disponível em sentido lateral, a distância do rosto do motorista ao para-brisa e a largura total do veículo, que acabavam dando ideia de um carro grande.

Na parte mecânica a Gurgel preferiu apostar em um conjunto tradicionalmente utilizado pela marca: o velho, barulhento, fumacento, robusto e confiável coração do Fusca, o motor VW 1600 a ar, com carburação dupla opcional, a álcool ou a gasolina combinado com o chassi tubular em plasteel desenvolvido pela própria Gurgel. Da linha VW o XEF aproveitava ainda outros componentes, como a pedaleira do Fusca, faróis do Voyage, sinaleiras traseiras do Brasília. Uma curiosidade: o XEF tinha parabrisa e vigia traseiros idênticos, também emprestados do primo VW Brasília.

A carroceria de fibra de vidro, além de leve, era considerada muito bonita e harmoniosa, que em conjunto com a ampla área envidraçada dava aos ocupantes uma grande sensação de espaço.

Vidros elétricos, volante esportivo, direção de respostas rápidas, bancos confortáveis com espaço para três ocupantes – o motorista e mais dois passageiros ao lado - completavam um pacote bem confortável, para a época.

O ajuste rígido da suspensão deixava o XEF colado no chão, tornando a experiência ao volante bem emocionante na versão equipada com o motor VW de dupla carburação a álcool.

No seu lançamento em 1983 podia ser comprado pela bagatela de sete milhões e seiscentos mil cruzeiros, hoje algo em torno de noventa mil reais. Não tinha ar condicionado, direção hidráulica, quinta marcha, 4 portas, travas elétricas ou motor 1.8, coisas que o Ford Del Rey Ghia oferecia por poucos cruzeiros a mais. Ainda assim a Gurgel tentou posicionar o XEF no segmento de carros de luxo, mas obviamente não obteve a resposta esperada do mercado e em 1986, quando foi encerrada sua produção, menos de 200 unidades haviam sido vendidas.

Leia Também Exclusão do Simples Nacional por dívida tributária é inconstitucional e ilegal Competitividade: Brasil vence a Venezuela e a Mongólia Transtorno de Personalidade Borderline Critérios para o bom emprego de fins educativos