Desistir faz parte

Postado por: Jéssica Limberger

Compartilhe

Inúmeras vezes, já ouvimos frases do tipo "não desista dos seus sonhos". Talvez esse texto seja um pouco polêmico, pois vou te dizer que desistir faz parte.

Cada pessoa carrega em si vários sonhos, vários planos que quer realizar. São esses sonhos que nos fazem caminhar, crescer e evoluir. A medida em que evoluímos, também podemos mudar os nossos sonhos e reinventar a nossa vida. Muitas vezes, queremos que aquele sonho seja realizado e acabamos desistindo, sem ao menos ter tentado de outras maneiras, e nos frustramos por não termos realizado algo que realmente gostaríamos. Por outro lado, assim como nos sentimos satisfeitos ao realizar um sonho que é especial para nós, também é libertador desistir de algo que já não é mais importante na nossa vida.

Vamos imaginar que em algum momento da vida você teve o sonho de conhecer Paris. Por muito tempo, planejou e se organizou para que esse sonho fosse possível. Quando você já estava prestes a comprar as passagens, percebe que Paris já não faz mais tanto sentido assim, e que aquele dinheiro seria bem melhor empregado se você viajasse para o Caribe, pois é o que você precisa naquele momento.

Talvez você já tenha falado para várias pessoas que iria a Paris, afinal, tempos atrás você realmente estava empolgado. Talvez as pessoas já começaram a perguntar quando a viagem vai ocorrer. Talvez você fique pensando que, já que falou para todo mundo que iria a Paris, é melhor ir mesmo. Será? Afinal, a viagem é sua ou é das outras pessoas?

Da mesma forma, quando desistimos de algo, necessitamos de cuidado para que as nossas necessidades sejam respeitadas. Assim como a viagem é tua, a vida é tua também. Por vezes, nos prendemos a pensamentos do tipo: "o que os outros vão pensar?" e acabamos por deixar de viver a nossa vida e os sonhos que realmente fazem sentido para nós.

Podemos começar nos questionando se os nossos sonhos são realmente nossos. Ou seja, será que eu realmente quero viajar para Paris ou são os meus pais, meus familiares e meus amigos que estão com essa grande expectativa diante de mim? Aliás, será que vale a pena lutarmos por sonhos que não são da gente?

Com aquele simples exemplo da viagem, identificamos que é importante alimentarmos os nossos sonhos até onde eles realmente forem importantes para nós. Às vezes, a gente age como se tivesse uma bola de cristal, prevendo que se aquele sonho for realizado, então seremos infinitamente felizes. No entanto, não é a realização de um sonho, por si só, que vai nos trazer a fonte da felicidade eterna, pois a felicidade é um constante processo.

É importante lembrarmos que um sonho faz parte da nossa vida, mas não é a nossa vida inteira. Podemos desistir de um sonho, alimentar outro, ter novos planos... Também podemos simplesmente "deixar de lado" esse sonho, guardá-lo na gaveta por um tempo, percebendo quais são os outros sonhos que queremos realizar, quais são as nossas prioridades naquele momento.

Assim como colocar em prática um sonho exige esforço, tempo e dedicação, desistir de um sonho também requer atenção. Desistir não significa jogar tudo para o alto, de maneira impulsiva, mas ter consciência das consequências dos nossos atos, tendo a liberdade de escolher qual caminho iremos seguir.

Ao desistirmos de algo que um dia foi importante para nós, não significa que somos incompetentes. Muito pelo contrário, significa que somos corajosos o suficiente para identificar o que realmente vale a pena lutar e persistir. Falando em persistência, assim como desistir faz parte, persistir também é muito importante. Todos nós temos aqueles sonhos, que por mais que pareçam difíceis, são eles que nos movem, nos motivam para seguirmos lutando, batalhando, tentando e insistindo, pois sabemos o quanto estamos dispostos a seguir a caminhada e o quanto aquele sonho ocupa um lugar especial no nosso coração.

A essa altura, você já deve ter percebido que muitas vezes o que vai diferenciar a desistência de um sonho não será o grau de dificuldade, mas se ele faz sentido para as nossas vidas, se aquele sonho realmente é nosso e se estamos dispostos a percorrer a trajetória até alcançá-lo.

Que a gente siga sonhando e realizando. Desistindo quando necessário e persistindo quando aquele sonho faz nosso coração pulsar com maior intensidade.

Leia Também Exclusão do Simples Nacional por dívida tributária é inconstitucional e ilegal Competitividade: Brasil vence a Venezuela e a Mongólia Transtorno de Personalidade Borderline Critérios para o bom emprego de fins educativos