O tapete vermelho

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

Na última semana o ovacionado tapete vermelho foi motivo de badalação em dois eventos de especial repercussão no Brasil. O primeiro ocorreu no Rio Grande do Sul durante o Festival de Cinema de Gramado e foi destinado para atores ou artistas com merecida fama pela qualidade do seu trabalho ou pela fama e arte que apresentam ao público.

A outra personalidade que teve destaque com tapete vermelho foi o juiz Moro que coordena a operação Lava Jato, a qual expôs a corrupção política, administrativa e individual – pública e privada – que tomou proporções gigantescas no Brasil. Qualquer cidadão, mesmo pouco informado, jamais imaginou que tamanho caos poderia levar o país “ladeira abaixo” e desmotivar uma nação inteira.

Novamente podemos refletir sobre o merecimento real desta honraria e o destaque que algumas pessoas recebem ao longo do seu trabalho. Na verdade a concessão de prêmios, destaques ou homenagens deveria iniciar pelas que fazem a diferença não pela fama ou projeção dos seus cargos, mas pela relevância de suas obras e pela continuidade de todas as suas ações ao longo da vida.

Quando ações aparecem em momentos focais e desaparecem quando o tapete não é estendido, existe algo errado e ameaçador para a comunidade e as organizações. Para demonstrar o merecimento de um prêmio ou destaque cada leitor poderia se perguntar para quem estenderia um tapete vermelho. Esse é um exercício educativo e pedagógico extraordinário para avaliar o alcance dos nossos valores e da vontade que temos de construir dias melhores para todos.  Nesse sentido, o prêmio não pode ser concedido a si mesmo.

Querer o tapete ou o primeiro lugar não pode ser manifestação de individualismo, mas do mérito notado pelos outros, especialmente daqueles que também merecem a mesma distinção.

Os prêmios deveriam partir de casa. Tapetes deslumbrantes para os pais, os filhos, os professores, àqueles que nos corrigiram, nos apontaram caminhos, nos deram oportunidades e nos incentivaram. Finalmente, o discurso, após ver o tapete estendido merecidamente, deve dedicado às personalidades.

Quando uma comunidade, pessoa ou instituição prefere ídolos às trajetórias, devemos repensar, famílias e a própria educação. Pense quem merece o tapete vermelho na sua vida. 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito