A Tradição como unificadora de gerações

Postado por: Isadora Fochi

Compartilhe

O MTG é uma entidade cívica cultural sem fins lucrativos compostos por filiados, as entidades tradicionalistas, essas que por sua vez tem como objetivo difundir a tradição. A tradição é o culto aquilo que os antepassados ligar através dela é possível conectar as gerações trazendo ao presente o que ocorreu no passado.               

Sem dúvidas a tradição gaúcha é uma das mais ricas que existem e isso ocorre porque além da cultura local o gaúcho foi contemplado com cultura das mais diversas etnias, como os índios, os negros e os europeus que juntos e ao longo dos anos, formaram a tradição do Rio Grande do Sul. Por meio dela as pessoas vivem o presente, porém sem se esquecer do seu passado, garantindo assim o conhecimento da história de onde se vive, assim como nos diz a Carta de Princípios, de Glaucus Saraiva, no seu item II “Cultuar e difundir nossa história, nossa formação social, nosso folclore, enfim, nossa tradição como substância basilar da nacionalidade”, ou seja, fazer da nossa tradição o sustentáculo para a nossa sociedade.

Além disso, através da transmissão da tradição as pessoas mais velhas ensinam aos mais novos muito sobre a história não só de onde se vive, mas também de sua própria família. Estes que, por sua vez, se perdem cada dia mais na sociedade e são responsáveis por garantir a sustentação da mesma tradição que os foi legada e igualmente transmiti-la, fazendo assim a sua parte. E foi graças a tradição que surgiu o tradicionalismo e em decorrência do mesmo os CTGs que são hoje, um dos principais núcleos de transmissão da tradição e que hoje somam mais de 1700 em todo o nosso estado. É através deles que os pais e filhos tem a oportunidade de vivenciar a tradição do passado no presente portanto além de unir de orações a tradição garante que o passado se mantenha no presente sem dúvidas ela é indispensável para a manutenção da vivência entre as gerações sendo delas o seu elo vital, pois é a família que faz esse “entrelaçamento” de conhecimento das diversas gerações, sendo o primeiro núcleo de transmissão cultural.

Afinal, cultuar nossa tradição é cultuar a nossa história e garantir que nossa cultura não se perca no decorrer dos anos. Para tanto, vale lembrar o verso de nosso hino que diz “Povo que não tem cultura, acaba por ser escravo”. O passado vive no presente através do convívio de gerações, e é esse elo que nos faz ser quem somos hoje.

Leia Também William II Elo passado-presente-futuro Sujeito descansado Maneiras de usar o floral nesse verão 2018