O grito

Postado por: Dom Rodolfo Luís Weber

Compartilhe

O dicionário Aurélio define o grito como “voz, geralmente aguda e elevada, de modo que se possa ouvir de longe; brado; vozes inarticuladas emitidas por quem sente dor, alegria, espanto”. O grito enquanto ruído, rugido, clamor, palavra não articulada indica simplesmente que alguém está sofrendo. O grito não é um raciocínio articulado. Não é uma frase completa. Não tem argumentação lógica.

O primeiro argumento que todos usam para chamar atenção para satisfazerem suas necessidades básicas, como recém-nascidos, é o choro. Muito parecido com o grito. Talvez mais grito que choro. Era o único recurso. Prontamente os cuidadores procuram interpretar o significado daquele ruído estridente. Por isso o grito tem um grande potencial comunicativo. Interpela o interlocutor por meio da emoção e do susto.

O pintor norueguês Edvard Munch (1863-1944) pintou em 1893 a obra “O Grito”. Uma pintura que retrata angústia e desespero. Esta obra foi leiloada em 02 de maio de 2012 por US$ 119,9 milhões, tornando-se a pintura mais cara da história a ser vendida em leilão. Os críticos de arte afirmam que neste quadro “a dor do grito está presente não só no personagem, mas também no fundo, o que destaca que a vida para quem sofre não é como as outras pessoas a enxergam, a paisagem fica dolorosa também, e talvez por esta característica do quadro é que nos identificamos tanto com ele e podemos sentir a dor e o grito do personagem”. Esta interpretação aponta que o valor do quadro alcançado no leilão não está só na qualidade artística, mas principalmente no tema retratado: o grito angustiado e desesperado.

No dia 07 de setembro aconteceu o 23º “Grito dos Excluídos”. Um momento cívico construído com a participação das comunidades cristãs, movimentos, pastorais sociais e organizações da sociedade civil. O tema deste ano foi “Vida em primeiro lugar”, e o lema: “Por direito e democracia, a luta é de todo dia”.

É um grito dentro de um contexto de profunda crise ética que vive a sociedade brasileira. A crise ética que tem levado a decisões políticas, econômicas e jurídicas que agravam situações de exclusão e penalizam, principalmente, o povo brasileiro pobre. O grito é último recurso e talvez o único que resta para aqueles que nada ou quase nada tem para a vida digna ou são despidos da sua dignidade. Simplesmente gritam: Tenho fome! Tenho sede! Não me mates! Tenham compaixão de mim!

Passagens bíblicas refletem que Deus não fica indiferente diante daqueles que clamam. “O Senhor lhe disse: Eu vi a opressão de meu povo no Egito, ouvi o grito de aflição diante dos opressores e tomei conhecimento de seus sofrimentos. Desci para libertá-los .... (Êxodo 3,7-8) “O grito de aflição dos israelitas chegou até mim (Ex. 3,9). “Ao ver as multidões, Jesus encheu-se de compaixão por elas, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas sem pastor” (Mt 9,36). “Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu, e moveu-se de compaixão. Aproximou-se dele e tratou-lhes as feridas ...” (Lucas 10, 33-34).

O grito provoca reação imediata porque está em causa uma necessidade vital, que tem precedência e urgência. Ouvir o grito dos necessitados desencadeia um processo de formação da consciência ética e de compromisso com o outro. É um apelo para construir instituições que favoreçam o bem viver de todos os cidadãos, seja no país ou no mundo.

Leia Também 3º Domingo do Tempo Comum. Que seja feita justiça no caso “Lula” “A verdade vos libertará” (João 8, 32) Absolver é dar um viva à imoralidade