Psicologia, Educação e Conhecimento em Portugal

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe

Um dos símbolos de conhecimento em Portugal, como uma referência mundial, é a Universidade do Porto. Uma das suas faculdades, que estou tendo a oportunidade de conhecer, desenvolve pesquisas que partem de temas do cotidiano, agregando várias áreas do conhecimento e com aderência no mundo vivido. Esta faculdade é denominada de psicologia e ciências da educação (FPCEUP). Este nome sugere a integração de duas áreas, psicologia e educação, cuja evolução de ambas depende de investigações integradas.

Mesmo sem estar diretamente presente no nome da faculdade, as ciências forenses estão representadas em um programa de mestrado, desenvolvidos em parceria com a faculdade de direito da Universidade do Porto e um programa de doutorado. Outro aspecto a ser destacado na estrutura da Faculdade são o Centro de Psicologia da Universidade do Porto (CPUP) e o Centro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE). Além destes dois centros, fazem parte da faculdade, um conjunto de laboratórios e outros centros, como por exemplo, Centro de Recursos Stephen R. Stoer (CRSS), o Centro de Recursos Paulo Freire (CRPF) e o Centro de Ciências do Comportamento Desviante (CCCD).

A psicologia e a educação tem a possibilidade de construir conhecimentos conectados com o mundo da vida, a partir da uma estrutura da FPCEUP, denominada de observatório da vida nas escolas. Estes conhecimentos estão disponíveis em publicações e são debatidos em grandes eventos como por exemplo, a II Conferência Europeia Sobre Violência Doméstica. Nesta conferência, foram apresentadas inúmeras pesquisas que tratam do tema da violência, nas suas relações com o sistema de educação formal e com o sistema de justiça. Oportuno ratificar que o ponto de partida é   um tema do cotidiano, para debater sobre pesquisas feitas na vida concreta das pessoas.

Psicologia e educação são áreas do conhecimento que se legitimaram e se consolidaram a partir de suas especificidades.  Esta consolidação se deu em uma época em que as especialidades cumpriram um importante papel, para o entendimento do ser humano, da sociedade e do universo. Ocorre que as referenciais para entender o comportamento em geral e o multiverso da nossa época mudaram. Em consequência disto, as especialidades devem construir conhecimentos conectados entre si e com o mundo vivido no século XXI.

Leia Também A (falta de) leitura e as redes sociais 25º Domingo do Tempo Comum. Escute o que seu coração deseja Mortes no Trânsito: De quem é a responsabilidade?