Coisas da Vida – final

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Após algum tempo, chegaram ao destino. Antes de cruzar as grandes portas abertas da movimentada loja, um último olhar entre João e Maria, como que para confirmar a decisão tomada. A mais importante decisão dos últimos dois anos.

Assim que entraram um jovem saltou de uma mesa e, muito sorridente e gentil, iniciou uma conversa animada e barulhenta. João logo o interrompeu:

- Eu vim aqui na sua loja por causa de um carro, meu rapaz. Vi esses dias pela internet e quero saber se está aqui e se posso vê-lo pessoalmente. É uma kombi.

O vendedor  de carros prontamente convidou o casal de idosos para lhe acompanhar até os fundos da loja, onde encontraram uma kombi verde estacionada no pátio. João se aproximou vagarosamente da kombi, deu uma volta ao redor e pode verificar que pesoalmente era mais linda que nas fotos da internet. Maria manteve uma certa distância, com um furacão de sentimentos rodopiando ferozmente em seu peito.

Não era uma kombi qualquer. Era uma kombi Carat, modelo produzido pela VW entre 1997 e 1998, numa configuração de luxo que nunca mais foi repetida, nem no modelo de despedida da velha senhora. Bancos de veludo, interior todo forrado e 7 lugares. Injeção eletrônica multiponto no motor a ar, calotas totais nas rodas, parachoques na cor da carroceria, teto alto e porta lateral corrediça. Enquanto João vistoriava os detalhes do carro, o vendedor falava sobre como o antigo dono cuidava da kombi, da baixa quilometragem, do estado excepcional dos bancos, de como era silencioso o motor e como era macia para rodar.

Maria já havia chegado mais perto, seduzida pela linda cor. Essa kombi verde, tão chique e moderna, lhe parecia uma versão mais bonita e refinada, como que uma cria melhorada do velho modelo. Isso a incomodava um pouco. Começou a imaginar que, se a kombi Morena era como se fosse uma filha, essa kombi verde seria, então, sua neta. Aproveitou que João e o vendedor tagarela estavam verificando o motor e abriu a porta do carona. Entrou e sentou-se no confortável banco de veludo cinza. Passou a mão pelo painel, pela forração da porta, virou-se e pode ver todo o restante da kombi, muito nova e muito linda. Agora, não sentia mais medo nem tristeza. O furacão de sentimentos havia dado lugar a uma alegria inquieta que estava a lhe escapar pela garganta.

- João, chega de conversa. Vamos fechar negócio. Essa menina vai pra casa hoje mesmo.

Sorridente e satisfeito João acatou a ordem da patroa. Afinal, ele torcia secretamente para que ela houvesse gostado tanto quanto ele da kombi verde.

Após vencerem os trâmites burocráticos e finalmente chegarem em casa, puderam então, com toda calma e tranquilidade, ver todos os detalhes, as novidades e particularidades da nova integrante da família, a kombi Carat Verde. Mais tarde, enquanto mateavam e faziam os primeiros planos de viagem depois de tanto tempo, Maria perguntou muito séria:

- E que nome vamos dar para essa kombi verde?

João, pensativo, preferiu perguntar a você, amigo leitor que acompanhou a saga de João, Maria e da kombi Morena, que nome dariam para a kombi Carat verde.

Deixe sua sugestão aqui nos comentários e concorra a um lindo brinde do PFFC – Passo Fundo Fusca Clube. Um grande abraço!

 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito