24º Domingo do Tempo Comum

Postado por: Maria Vani Gehlen Ramos

Compartilhe
O Senhor é bom e misericordioso, lento para a cólera e cheio de clemencia. Salmo 102(103),8.
A liturgia deste final de semana nos leva à prática do perdão, tão difícil e tão comprometedor. O Evangelho de Jesus Cristo, segundo evangelista Mateus 18, 21-35 nos traz novamente o apóstolo Pedro perguntando à Jesus: "Senhor, quantas vezes devo perdoar o meu irmão, quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?" Respondeu Jesus: "Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete". Para que Pedro,  e nós hoje,  possamos compreender a mensagem deste evangelho Jesus conta, mais uma vez, uma parábola. 
Compreendemos que a resposta de Jesus à Pedro significa que devemos perdoar sempre, sempre e sempre, para que  também possamos ser perdoados, sempre, sempre e sempre.
Temos rancores guardados em nosso coração contra alguém? Será que vale a pena perder tempo alimentando mágoas e até vinganças? Rezamos por aqueles que nos prejudicam? Também rezamos por aqueles que prejudicamos?
Penso que uma das práticas e atitudes da vida mais difíceis é exatamente o exercício do perdão. Jesus nos deu o exemplo na cruz quando fez o pedido ao Pai: " Perdoai-lhes porque não sabem o que fazem". A misericórdia de Deus é infinita e amorosa e sempre nos perdoa e nos acolhe, incessantemente. Nós, seres humanos, não temos a capacidade de perdoar por nós mesmos, por isso temos que pedir a Deus que nos ensine a perdoar. 
A oração do Pai Nosso, que o próprio Jesus nos ensinou, nos compromete e nos ensina a perdoar. "Perdoai os nossos pecados, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido". 
Bom domingo, na paz do Senhor.

Leia Também Por que usar Emojis nas Redes Sociais? Sistema de Gestão Ambiental nas empresas Combate ao Golpe do Bilhete Premiado “João é seu nome”