O valor da vida

Postado por: Adalíbio Barth

Compartilhe

Nos tempos de caça permitida, dois vizinhos de propriedade rural, resol­veram sair com suas armas, para abater aves e animais do mato, para alimentar suas famílias. Era o costume daquele tempo em que se iniciara a colonização de ter­ras públicas. Às vezes, a caça e a pesca também eram o único lazer e recreação de nossos agricultores desamparados em nosso interior.

Naquela manhã conseguiram abater uma perdiz aqui, outra acolá, mais uma pomba carijó, perderam uma corrida de uma lebre e começaram a se pre­ocupar com as nuvens carregadas que anunciavam chuva copiosa.

Suspenderam a caça daquela manhã e resolveram voltar às suas casas. Todavia, o vento aumentou, trovejava forte e já não tinham mais certeza de que conseguiriam seu intento. De fato, após alguns minutos começaram os primeiros pingos de chuva. Alcançaram abrigo debaixo de uma árvore nativa, grossa, exuberante e de grande valor comercial. Há muito tempo era cobiçada pelos dois caçadores, pois se encontrava bem na divisa das duas propriedades. Várias vezes já haviam discutido sobre a real pertença dessa árvore majestosa que, abatida e comercializada, alcançaria grande valor.

A chuva aumentou, trovejava e caíam raios por toda parte. Resolveram enfrentar a precipitação da água, abandonar o abrigo desta árvore em litígio e retornar assim mesmo às suas casas. Não haviam percorrido uns trezentos me­tros, eis que um raio caiu na disputada árvore, deixando-a partida em muitos pedaços.

Assustados e trêmulos, saíram em louca disparada, percorrendo em pouco tempo, a distância que os separava de seus lares. Chegaram felizes, com pouca caça, mas com vida, salvos.

Leia Também Por que incentivar as crianças? Depois da aposentadoria Correios está resolvendo seus problemas O time que perdeu para ele mesmo