A vez de o Grêmio ser prejudicado

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe

Semana passada escrevi sobre as muitas reclamações no futebol após um gol irregular ser validado em favor do Corinthians. Disse que infelizmente as coisas são assim, um dia se é beneficiado no outro prejudicado. De fato é assim mesmo, ou o seu time nunca foi prejudicado ou nunca foi beneficiado por um erro de arbitragem?

Ontem, 24, na Arena Fonte Nova, foi a vez do Grêmio perder um ponto devido à marcação de um pênalti inexistente para o Bahia. Aqui eu engrosso o coro de Edilson ao final do jogo: Para que servem os árbitros que ficam atrás do gol? Para que estão ali se eles são omissos nos momentos cruciais?

O lance de ontem é claro: O arbitro de linha não esboçou nenhum reação! Ele continuou ali, estático, como se nada tivesse acontecido e nada fosse com ele. E o árbitro de vídeo não iria ser utilizado já nessa rodada? Porque não foi?

O questionamento aqui não é o prejuízo ao Grêmio, até por que, na próxima rodada, o contrário pode acontecer. Mas o quão fraca é nossa arbitragem e o quanto eles prejudicam o espetáculo.

Sou favorável à utilização da tecnologia no futebol. É urgente.

Não cabe mais esperar as coisas acontecerem. O futebol americano, que tem na sua final a maior audiência da televisão mundial e o minuto mais caro para anunciantes, utiliza essa tecnologia. O vôlei utiliza, o tênis utiliza.

Por que só o futebol não pode se adequar?

LIBERTADORES

Como já escrevi semana passada, não estou muito preocupado com o Brasileirão. O negócio do Grêmio é a Libertadores, campeonato em que o Grêmio voltou a disputar uma semifinal. Contra o Barcelona todo cuidado é pouco, mas o tricolor é mais time, tem tempo para se reorganizar e chegar a final da competição.

FUTSAL

Sábado o futsal viveu uma jornada triste. O esporte futsal, não o Passo Fundo Futsal.

Jogando em Salto do Jacuí, o PFF vencia por 3x1 quando restavam pouco mais de nove minutos para o final da partida. Então foi marcada a sexta falta contra a equipe da casa, que daria o tiro-livre para o Passo Fundo. Os jogadores da ADCH protestaram contra o juiz, virou aquela bronca dentro da quadra e de forma completamente descabida, um dirigente da equipe da casa invadiu a quadra, fez ameaças à equipe de arbitragem e deu um tapa no rosto do capitão Túlio, de Passo Fundo.

O jogo foi suspenso até a chegada da Brigada Militar e, após, encerrado por falta de segurança.

É triste ver uma partida de futsal terminar antes de o cronômetro zerar. É triste ver um dirigente agredir um jogador adversário. É triste ver a equipe de arbitragem precisar sair escoltada do ginásio.

Isso não tem absolutamente nada a ver com esporte.

Espero que a FGFS puna exemplarmente o irresponsável que criou toda a confusão.

Confusão que começou logo na chegada do Passo Fundo Futsal ao ginásio, quando esse mesmo dirigente queria cobrar ingressos para parte da delegação visitante.

Sim, meu caro leitor. Cobrar ingresso para a equipe visitante.

Já pensou o atleta precisar pagar ingresso para jogar? O técnico precisar pagar ingresso para entrar no ginásio treinar seu time?

Pois foi isso que aconteceu em Salto do Jacuí no último sábado.

Deixando a confusão de lado, com a bola rolando, o PFF fez um jogo tranquilo e vencia naturalmente, sem fazer muita força. Terminou a primeira fase na segunda colocação e vai enfrentar a AGE de Guaporé nas quartas de final.

A Série Ouro está cada dia mais perto e o Passo Fundo Futsal está preparado pra alcançá-la.

Boa segunda!

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”