Brasileiro... só os índios

Postado por: Odilon Garcez Ayres

Compartilhe

Se você perguntar a qualquer um qual a sua nacionalidade, dirá que é brasileiro. Mas se tiver uma ascendência europeia ou outra, dirá com orgulho que é descendente de imigrantes.

Dia destes, ouvindo depoimentos de pessoas influentes da cidade de origem, árabe, judaica, italiana, alemã, africana e até norte americano, todos manifestaram um orgulho, atávico, intrínseco da alma, em pertencerem a uma ou outra etnia, que não a brasileira.

Houve também o depoimento de uma índia Kaingangue, que por sua vez, discrimina outras etnias, assim como os Guaranis ironizam os Kaiovás e ali na Reserva do rio Ligeiro denunciam que tem muito caboclo mesclado e metido a índio, que os estão sobrepujando.

Não sou sociólogo, mas no caso do Rio Grande do Sul, me atrevo a dizer, que Dom José I, depois da portuguesada de 1500, autorizou a vinda dos Açorianos em 1756 para Rio Grande para ajudar no combate aos índios missioneiros e para povoar o nosso litoral, e de tal forma se integraram, se mesclaram de tal forma por quase trezentos anos... que poucos tem ideia da sua origem nas ilhas vulcânicas  do atlântico.

Nessas levas, vieram outras etnias, com destaque para os Cristãos Novos, judeus, que para não perderem a cabeça para a inquisição, adotaram sobrenomes portugueses, diferenciados, para não se perderem, como Lima, Pereira, Moreira, Silveira e como acho que Silva seja derivado, e nos causou tantos e tantos males, que ainda estão se apurando, seu ancestral deve ter sido Judas Scariotes.

Depois vieram os alemães e polacos, os melados e os escuros, pejorativamente apelidados de quinta-coluna na década de 40, mas que aqui vieram antes como soldados mercenários a mando de Dom Pedro I para combater nas guerras Cisplatinas e foram ficando e se aculturando, mas não deixaram o orgulho de suas raízes.

Os Italianos vieram antes da independência da Itália do Império Austro Húngaro, e junto com os Venetos, Trentinos, Bergamaski, também aqui aportaram Austríacos, Judeus, Belgas, Suiços, Holandeses e Dinamarqueses, todos se intitulando puro italiano, que por sua vez, cultuam suas tradições e orgulho da bandeira verde e vermelha.

Incrivelmente, hoje, se você perguntar aqui ou em qualquer parte do Brasil, de onde vem e para onde vai, qualquer um dessas etnias, responderá com orgulho, que é Gaúcho, mercê do aculturamento, da miscigenação, da cristandade, do aculturamento e das tradições guerreiras do seu povo, que defendeu o Brasil, dos chamados brasileiros, em guerras contra os espanhóis, uruguaios, argentinos e paraguaios.

Nós aqui do Rio Grande do Sul, defendemos o Brasil, desde os primórdios, amamos o Brasil, damos exemplo como se governa um País, com Getúlio Vargas, Costa e Silva, Ernesto Geisel, Médici e até um Batista Figueiredo, mas não somos brasileiros, não temos orgulho nenhum em sermos brasileiros, nós orgulhamos em sermos Gaúchos, um povo a parte, diferenciado, com raízes, diversas, bons costumes, cristão, altruísta, guerreiro, mas, vilipendiados e debochados pelas costas, pelos Brasileiros, de Sarney, Collor, Calheiros, Lula, Jucá, Bezerras, Neves e Dilma de Minas do nordeste.

É só fazerem um comparativo para verem quem é quem: gaúcho ou brasileiro!

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”