Palocci e a carta que implode Lula, Dilma e o PT

Compartilhe

Antes de entrar no assunto específico do artigo, ou, da transcrição da carta de Palocci ao PT, reservo estas linhas para dizer que também quero ver preso Aécio, Temer e toda a cafajestada que infesta Brasília. Por isso não adianta escrever, nos comentários, que Geddel é isso ou é aquilo, que fulano é isso ou tal. Não tenho político ou bandido de estimação.

Mas que, na carta que reproduzo na íntegra, o médico fez água, isso é certo. O documento foi enviado à senadora Gleisi Hoffmann, atual presidente do PT.

A curiosidade, agora, é saber quem é quem na escalada brutal da corrupção brasileira, já que Lula nega, veementemente, qualquer relação com Palocci, diz que tudo é mentira, e Gleisi e os asseclas adotaram a postura de negar tudo e de pedir a expulsão do antigo ministro e líder petista.

Palocci está atolado até o pescoço e vai levar muita gente consigo, quando depuser na delação premiada da Lava-Jato. Ao contrário de José Dirceu, petista genuíno que não nega a raça e por isso não delatou ninguém – e vai viver o restante dos dias na cadeia, o ex todo poderoso ministro das Finanças de Lula e articulador da campanha e também ministro de Dilma jogou “m” no ventilador.

A transcrição da carta enviada à Gleisi pipocou no Brasil inteiro. Para os que querem ver justiça e, em consequência, Lula pagando por seus atos, foi mais ou menos como a festa de virada do ano em Copacabana: um espocar de foguetes.

Para os que insistem em não ver Lula como vilão e, ainda assim, tapar o sol com a peneira, buscando acusar os demais vilões da Pátria, é só mais um comprimido de Omeoprazol da prateleira.

Palocci destaca: “5) De qualquer forma, quero adiantar que, sobre as informações prestadas em 06/09/2017 (compra do prédio para o Instituto Lula, doações da Odebrecht ao PT, ao Instituto e a Lula, reunião com Dilma e Grabrielli sobre as sondas e a campanha de 2010, entre outros) são fatos absolutamente verdadeiros. São situações que presenciei, acompanhei ou coordenei, normalmente junto ou a pedido do ex-Presidente Lula. Tenho certeza de q1ue, cedo ou tarde, o próprio Lula irá confirmar tudo isso, como chegou a fazer no ‘mensalão’, quando, numa importante entrevista concedida na França, esclareceu que as eleições do Brasil eram todas realizadas sob a égide do caixa dois, e que era assim com todos os partidos...”

Em outro trecho, Palocci diz: “Até quando vamos fingir acreditar na autoproclamação do ‘homem mais honesto do país’ enquanto os presentes, os sítios, os apartamentos e até o prédio do Instituto (!!) são atribuídos à Dona Marisa?”

 Clique aqui e Confira o texto “ipsi literis” a e tire suas conclusões.


Leia Também O cristão cidadão – 2ª parte “Abre tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11) Mês da Bíblia: o livro do Deuteronômio De faxineiro a gerente