Os modelos especiais VW, em 1965

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Em 1965, como de costume, a VW lançou seu folheto de propaganda com os modelos especiais que seriam oferecidos diretamente de fábrica. A curiosidade fica por conta dos modelos frente ao período histórico em que acabaram inseridos. Na época possivelmente não tenha sido percebido dessa maneira, mas hoje fica impossível não fazer a correlação.

Iniciava trazendo a foto do Sedan VW (nome científico do Fusca) e discorria sobre todas as vantagens que ele oferecia, como agilidade na cidade, lugar para cinco pessoas mais bagagens, suspensão praticamente inquebrável e economia no consumo de combustível. Mencionava ainda que o motor de 36 HP, refrigerado a ar, dispensava radiador, mangueiras, bomba d´água e nunca fervia.

O próximo da lista era o Sedan VW “Rádio-Patrulha”, oferecido com sirene e pisca-pisca no teto, vidros de segurança que não estilhaçavam e pintura padrão da polícia, com os dizeres “Polícia”, na frente e atrás.

Em seguida vinha o Sedan VW “Polícia Rodoviária”, equipado com assento reclinável ao lado do motorista para facilitar o atendimento de feridos, sirene e pisca-pisca no teto e pintura em amarelo, com para-lamas, para-choques, rodas e calotas em preto.

Depois o Sedan VW “Pronto-Socorro”, com os mesmos diferenciais do modelo “Polícia Rodoviária” e ainda um espaço especial atrás, para eventual instalação de rádio comunicador e era oferecido na cor branca.

Após, o folheto apresentava a Kombi como a “camioneta” que aceita o maior número de adaptações. Explicava que o modelo poderia servir para transporte de carga ou passageiros, que contava com sistema de aquecimento e eram muito arejada e iluminada, através de suas 15 janelas panorâmicas. Podia acomodar até nove passageiros ou 885 kg de carga.

Então mostrava a “Kombi Ambulância”, com maca acolchoada facilmente colocada e retirada pela porta traseira, mais uma poltrona-maca com acesso pelas portas laterais. Acomodação para 4 pessoas na frente e, no compartimento traseiro, um suporte para tubo de oxigênio e outro para o vidro de soro. Também havia sirene e pisca-pisca no teto e a pintura era toda branca, óbvio.

Agora temos a “Kombi Polícia Técnica”, montada com uma plataforma no teto capaz de suportar grandes pesos, duas mesas retráteis (uma sob o painel de instrumentos e outra no compartimento de passageiros). Um grande baú sob cada banco do salão, um armário, um holofote portátil com extensão de fio e tomada de força. E não era só isso. O motor da Kombi acionava uma bomba de água ligada a um tanque com capacidade para 80 litros. Encerrava a lista de acessórios suportes para dois extintores de incêndio, sirene e pisca-pisca no teto. A pintura era no padrão polícia, com os dizeres “Polícia” na frente e atrás.

A próxima da lista dos VW´s especiais de 1965 é um modelo que eu quero demorar a andar. A “Kombi Funerária” era equipada com uma mesa de aço montada sobre trilhos que deslizava para fora do carro. Uma divisão metálica, com visor, separava o compartimento do motorista. As janelas do compartimento de cargas eram fixas e o carro podia vir na cor preta ou branca.

Havia também a “Kombi Rádio-Partrulha”, equipada com sirene e pisca-pisca no teto, vidros de segurança e espaço especial para instalação de rádio comunicação. Cores do padrão polícia, com os dizeres “Polícia”, na frente e atrás.

Na sequência, a “Kombi Mortuário” ou como é popularmente conhecido, o rabecão da polícia. Essa kombi do modelo furgão sem janelas tinha o espaço de carga dividido em 2 andares, um com acesso pelas portas laterais e o outro pela porta traseira. Cada andar com duas urnas mortuárias que deslizavam sobre roletes giratórios de aço. Uma divisão metálica separava a cabina do compartimento de transporte. Mantinha o estilo de pintura preto e branco da polícia.

E por fim temos a “Kombi Camburão” ou carro de presos, como a VW preferiu batizar. Era dividida em três compartimentos separados por chapas de aço reforçado: o compartimento do motorista, a divisão dos presos e um espaço reservado à instalação de radiocomunicação. O teto e o compartimento dos presos eram dotados de respiradores e também trazia pintura padrão policial.

Lembras-se de algum outro modelo especial que a VW oferecia? Tem uma história com algum desses modelos? Conte para a gente aqui abaixo, nos comentários e ajude a manter viva a memória desses ícones da indústria automobilística mundial. Grande abraço!

 

Leia Também 3º Domingo do Tempo Comum. Que seja feita justiça no caso “Lula” “A verdade vos libertará” (João 8, 32) Absolver é dar um viva à imoralidade