Sair para libertar-se

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Por ocasião do mês missionário, que convida a reflexão do compromisso de uma “Igreja em saída”, é importante refletir sobre esta exigência da fé cristã. Sair significa uma atitude, uma disposição assumida pessoalmente ou coletivamente. É uma dinâmica provocadora.

 A tradição bíblica lembra a trajetória do povo hebreu que foi convocado a sair do Egito e da escravidão em busca da terra prometida e da vida digna. Jesus enviou os discípulos em missão para estar com as pessoas nas suas casas (Lc 9,2) e ali fazer o bem. Saíram da sua proximidade para fazer o bem em seu nome.  As primeiras comunidades cristãs enviavam missionários para diferentes lugares (At 13,2) com o objetivo de anunciarem o nome do Senhor. Estes casos revelam a saída para assumir uma outra condição ou para apresentar uma proposta transformadora a partir do princípio cristão.

A saída, referenciada pela Sagrada Escritura, pode ser vivenciada em nosso cotidiano, enquanto agir social. No caso implica na capacidade de olhar um pouco mais além da vida centrada nas preocupações individuais. É a saída que liberta do fechamento, do egoísmo, do referencial individualista atual e coloca a pessoa em relação com a sociedade em outras perspectivas, do serviço, da partilha, da gratuidade. Temos na sociedade muitos exemplos neste sentido. São pessoas que se realizam partilhando dons, tempo e criatividade pelo bem social. Fazem isto porque acreditam em outras formas de presença e relacionamento social.

A dimensão missionária da fé provoca a saída enquanto Igreja, para que na missão encontre a si mesma. A Igreja é Igreja enquanto missionária, disposta a “sair”. Nisto liberta e alcança a libertação. Se fica corre o risco do aprisionamento em situações até mesmo contrárias ao evangelho e ao Reino anunciado por Jesus.

O fechamento no individualismo também pode ser doentio para a pessoa. Caso assuma a condição de saída vai se curando, se encontrando com outras perspectivas de vida. O encontro com outros faz bem. O encontro com os outros pelo viés da caridade e do serviço é melhor ainda.

 Sair é então atitude de fé se tomarmos a perspectiva cristã. É atitude de cidadania amadurecida se compreendermos o agir social. Não são posicionamentos contraditórios. O ponto de partida é diferente, mas o bem feito é o mesmo. 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito