Governador decepciona e começa a entregar o Estado

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Mesmo que as iniciativas do Governador Sartori sejam antipáticas à maioria da população, principalmente aos servidores públicos, em muitos aspectos eu estava favorável, por entender que é necessário medidas duras para a recuperação financeira do Estado, porém essa de vender ações do Banrisul não dá para concordar e com certeza o governador decepciona muitos que estavam apoiando a sua gestão. Mesmo que neguem, esta ação representa o início da privatização do banco, quase a metade será vendida agora e o resto, mesmo que não seja neste governo, não tem como segurar. Sartori decepciona inclusive gente do seu partido que garantia que o Banrisul estava fora de qualquer negociação e que não havia possibilidade nenhum de ser negociado, fomos todos enganados. Ainda por cima a privatização do Banrisul, que é uma exigência para negociar a dívida com a União, não garante nada, ou seja, podemos perder o banco e continuar endividados, se foi de vez o Governador Sartori.

 

Tudo se encaminha para o caos

Não podemos ficar só reclamando e sendo pessimistas, mas a situação do Rio Grande do Sul está cada vez pior, professores em greve e agora a Polícia Civil, os serviços públicos estão parando aos poucos, a saúde precária, o povo está abandonado pelo Estado. No caso da PC a coisa já não andava bem, não por conta dos servidores, pela estrutura mesmo a PC atende mal a população, está longe de atender com eficiência as demandas da segurança pública, assim como a Brigada Militar, a bandidagem deita e rola uma ação aqui, outra ali, mas apenas resultados paliativos, imagina em greve como vai ser.

 

Comportamento da sociedade está sendo testado

Os pais de famílias, que podem ser homem ou mulher, precisam ficar atentos com os ataques que estão sendo feitos a natureza humana, estão querendo desconstituir a instituição família, por isso exposições, livros e obras de artes, trazendo cenas de pedofilia, zoofilia, blasfêmia e outros insultos estão sendo realizados por toda a parte. Isso é para ver se a sociedade aceita estas coisas, se encara como normal esse tipo de publicação. Respeito todas as opiniões, opções e orientação, como dizem, entretanto não vou me calar com o fato de quererem colocar isso “goela abaixo da sociedade”. Não me venham moralistas com opiniões do tipo de quem pensa assim é preconceituoso, homo fóbico ou qualquer outro adjetivo, essa vergonha precisa ser combatida.

 

Dizem por aí... Que os que apoiam eventos que atacam a família gostam apenas de ver isso em locais públicos, mas não levam para a sua casa e para seus filhos. Será verdade?

 

Leia Também Municípios receberão R$ 44 milhões para salas de vacinação Na escola da Misericórdia A fábula do vestidinho azul Jamais abdicar da democracia!