Trezentos anos de bênçãos e de graças!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Nesta quinta-feira, dia 12 de outubro, a comunidade católica celebra um momento especial, os trezentos anos do encontro da imagem de Nossa Senhora nas águas do Paraíba do Sul, Estado de São Paulo. O encontro se deu no período histórico da escravidão, da opressão do povo negro. Ela surge das águas enegrecida como o povo escravo que sofria.

 Conta a história que num primeiro momento os pescadores Filipe Pedroso, Domingos Garcia e João Alves encontram o pedaço correspondente ao corpo e logo após encontraram a cabeça. Estavam no rio com uma tarefa árdua, pescar para prover a mesa dos patrões de peixes. Contudo a tarefa era infrutífera. Não conseguiam peixes. O encontro da imagem fez com que tudo se transformasse. Logo conseguiram uma pesca farta e atribuíram isso ao milagre de Nossa Senhora então chamada de Aparecida.

Ali começava uma trajetória de devoção e fé secular. O povo brasileiro sente-se protegido e acolhido pela mãe de Jesus. Busca ela com fé e esperança porque sabe que será atendido no que busca. Experimentamos trezentos anos de história de uma comunhão profunda com Nossa Senhora. A mãe de Jesus se deixa encontrar e, no seu carinho maternal, vai restaurando vida das pessoas, curando os feridos e machucados, animando os desesperançados. Permite que seus filhos e filhas renasçam e continuem caminhando com fé e esperança. Verdadeiramente a mãe nos levanta nos faz andar. São os milagres que o povo vai experimentando e faz questão de divulgar porque “faz bem dizer do bem que a mãe fez”.

Nossa Senhora propicia outros momentos importantes na vida do povo. O filho de um dos pescadores Atanásio Pedroso construiu um oratório para a imagem encontrada. E neste lugar as pessoas iam rezar o terço. Nossa Senhora permitiu o encontro das pessoas para rezar e certamente para partilhar a vida. Aprofundou a vida comunitária.

 Nossa Senhora é compreendida na reflexão da fé a partir de Jesus Cristo. Ela nos aponta para Jesus, o filho que acolheu no seu ventre e deu para a humanidade na caminhada da salvação. Foi discípula dele e convida a assumirmos a mesma condição.  A devoção a Nossa Senhora Aparecida deve nos levar ao encontro com Jesus, a uma experiência de fé convertida, mediada pelo discipulado missionário.

Por fim a mãe de Jesus nos convida a continuarmos caminhando, apesar dos tempos difíceis. Ela se manifestou em um momento muito difícil para o povo pobre.  Quantas visitas fez e continua fazendo, assim como seu filho fazia. São visitas em nome do Pai e acontecem não para acomodar, mas para animar e fortalecer no compromisso de discípulos e discípulas missionários.

Pe Ari Antônio dos Reis

Leia Também Veículo usado por agricultor não pode ser penhorado Que venha o Grêmio, como ele é Pais procuram filhas desaparecidas Homens e a moda para as festas de final de ano