Grandes empresas de Passo Fundo prestam contas à cidade

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

A semana está sendo marcada pela aproximação com a comunidade de duas grandes empresas de Passo Fundo, que geram empregos, renda e impostos que ajudam a cidade a se desenvolver nas mais diversas áreas. A Comercial Záffari comemora 60 anos e realiza uma exposição, no Museu Regional que conta um pouco desta história. Uma grande empresa que ganhou o Brasil, mas manteve a sua raiz aqui, mostrando o seu comprometimento com esta terra, sendo parceira do Poder Público, como foi na construção da Escola Modelo da Vila Luiza, que leva o nome de André Záffari. Muito poderia se escrever sobre a sua importância, mas neste momento vale parabenizar e desejar que a empresa continue crescendo e levando Passo Fundo junto.  A outra empresa é a BSBIOS, que lançou o seu primeiro relatório de sustentabilidade, que mostra a potência que é. Como disse o prefeito Luciano, a BSBIOS é mais importante hoje para Passo Fundo, quando foi da sua inauguração há 10 anos. Uma empresa que além de tudo que oferece ao mercado, também realiza um grande trabalho social de apoio ao esporte e educação, por isso merece ser valorizada por todos.

 

Empresa esclarece denúncia feita a vereadores

Após a Carta Aberta sobre as invasões de terra em Passo Fundo, onde a empresa Salomão disse que muitas delas são incentivadas e organizadas por vereadores, uma nova manifestação vem esclarecer, pois houve uma generalização. Segundo a nova versão, a empresa diz que as pessoas que invadem terrenos, seguidamente mencionam o nome de um ex-vereador de outro que está na Câmara há muitos anos. Mesmo que a maioria dos vereadores não participe deste tipo de iniciativa, muitas vezes o invasor para se defender e se proteger usa o nome de autoridade, pensamento referendado pela própria empresa. Assim fica melhor, pois quando se generaliza, corre o risco de se fazer injustiça, como aconteceu neste caso. Esse problema é grave em nossa cidade e precisa ser enfrentada, muita gente que invade não tem como ter uma casa e só faz isto por extrema necessidade, mas no meio tem muito vigarista, que precisa ser identificado e punido, porém em ambas as situações são ilegais.

 

Dizem por aí... Que a hora que polícia prender um estelionatário, que invade terrenos públicos e privados para vender, essa farra das invasões vai acabar. Será verdade? 

Leia Também O bom samaritano Um projeto para o Brasil Reforma da Previdência: cofre aberto Ambição derrotada