Mil tons de verde

Postado por: Odilon Garcez Ayres

Compartilhe

Vivi mais da metade da minha vida, no meio de uma pequena floresta nativa, e pude admirar diariamente as dezenas, centenas, quiçá milhares de tons de verde que existem na natureza, nenhum igual a outro, são tantos e tantos, que sempre me fascinaram, e quem sabe, contribuiu para manter minha visão monocular, e muitas e incontáveis vezes, acalmaram ou alegraram o meu espírito, ao ponto de haver uma simbiose com aquele meio ambiente verde, interagindo de tal forma, que homem e natureza se fundiram, se misturaram por alguns segundos que pareceram eternos.

É inexplicável!

Enfim, muitas das minhas crônicas são voltadas para a natureza e seus componentes, de tal forma, que não há como me contestarem, de duvidarem do que digo e afirmo.

Hoje pela manhã, caminhando rumo a feira pela Rua da Liberdade, ao passar numa calçada, carpida a maioria de seus  matos que chamam de ervas daninhas, lembrei-me de um outro dia que assisti ali mesmo, um esfomeado Canarinho, havido, comendo sementinhas de uma gramínea rasteira, cujo nome desconheço, assim como de sua maioria, sem se importar com minha presença, a meio metro de distância, saboreava o alimento que Deus lhe deu!

Agora, está na hora de tornarmos realidade nas ruas, nas calçadas, nas estradas, nos muros, porque não, nos alpendres, nos jardins, nas hortas, nos terrenos baldios, nas praças, nas avenidas... Em toda parte... Deixar aflorar os “mil tons de verde”, porque gramas, gramíneas, ervas daninhas, matos, flores, arbustos, árvores, pequeninas ou frondosas, seja de que nome for, não é mato no sentido pejorativo, não é sujeira, não é lixo, não deslustra qualquer paisagem, não agride o meio ambiente, não tem cheiro ruim, não precisou de ti para vicejar nem para morrer, você a matou, pisando, carpindo, pulverizando e exterminando, uma espécie, um ser vivo...o verde é uma vida!

E uma vida, quer seja, humana, animal ou vegetal, nós não temos a permissão de Deus para exterminar!

Mato, é você fumando, jogando bituca na rua, empestando com tua tinta a limpeza das casas e dos muros, demonstrando a tua alma suja!

Mato é o lixo que você não recicla em casa, e os cantos que você não lava!

Mato é a garrafa plástica, o canudinho, a tampinha, o rótulo, que você joga na rua!

Mato é o esgoto das ruas, os bueiros entupidos e os rios assoreados e mortos por metais pesados!

Mato é a fumaça das chaminés das fábricas nas cidades!

Mato é o incêndio criminoso que você faz em nome do agronegócio!

Mato é a soja, o trigo e o milho, produzido com agrotóxicos!

Mato é carpir ruas e fazer capina mecânica, matando a vida do verde!

Mato é tua motosserra matando uma árvore por ganância!

Mato é o cano de descarga da tua moto, do teu carro e do teu caminhão!

 

Enfim, em contra ponto com “Mil Tons de Verde” da natureza, que foi Deus quem criou, existem milhares de tons de lixo humano, que não foi Deus que produziu, foi você Adão e Eva!

Assim como nos trilhos da vida... pare... pense... escute... olhe... uma plantinha ou uma grande Araucária Brasileira, e sinta os “Mil Tons de Verde”, nem que seja por um instante só...porque você está prestes, pelas tuas próprias mãos, a perder tudo isso, toda essa beleza da natureza!

Preservem os mil tons de verde que ainda nos restam!

 

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”