Rodízio de Trabalhadores

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Com essa situação de mercado, crise financeira e desemprego, um fato tem chamado a minha atenção. Muitas empresas estão trocando de trabalhadores a toda a hora. Isso acontece naquelas funções que qualquer um pode fazer e, portanto não precisa sequência e nem muita qualificação, daí fica fácil demitir a toda a hora. Inclusive as empresas preferem ficar pouco tempo com um trabalhador, para não aumentar os custos na hora de uma rescisão. Por isso que com a competitividade do momento, quem não tem pelo menos segundo grau completo, algum curso de qualificação, boas referências, bom currículo, corre o risco de ser demitido a qualquer momento, mesmo que venha trabalhando bem. Isso é muito ruim, pois quando a pessoa está tocando a sua vida, pensando que está segura, afinal está empregada, mesmo que não tenha feito nada de errado, é surpreendida com uma demissão, triste para os trabalhadores e suas famílias esta instabilidade. Apesar da falta de ética da empresa, não é ilegal e nestas horas o dono só pensa no seu negócio, o resto, não importa.

                                                 

Energia solar é o caminho

Um tema que faz parte da realidade do mundo, mas que no nosso país, ainda tem muito que avançar e, portanto, é algo do futuro é a utilização da energia solar. Segundo especialistas do setor, um projeto básico para uma casa representa um investimento em torno de R$ 10 mil, o que, pela economia que vai trazer, de 4 a 7 anos, se paga. Um exemplo é a escola modelo da Vila Luiza, construída pela Comercial Záffari, que conta no seu projeto de sustentabilidade com este incremento. Os empreendedores do ramo da construção civil estão apostando nesta oferta para atrair consumidores e este mercado tende a crescer rapidamente, o que será bom para o meio ambiente e também para a economia, pois ao invés de pagar conta de luz as pessoas poderão utilizar o dinheiro para outras coisas. As empresas de energia elétrica, no caso nosso a RGE, não devem gostar muito disso, porém o projeto estando devidamente apresentado a Anel, que regula esses serviços, garante a autorização. Inclusive a notícia recente é de que está sendo instalada no vizinho município de Coxilha, a primeira usina de energia solar da região, muito bom!

 

Privatizar ou não o Banrisul?

O programa Frente e Verso de amanhã, pela Rádio Planalto, a partir das 10 horas, vai discutir a venda de 49% das ações do Banrisul, proposto pelo Governo Sartori, Apesar do Estado permanecer com a maioria das ações, não resta dúvidas de que isso acontecer, se abre de vez as portas para a privatização definitiva. O Governo estaria fazendo isto atendendo exigências do Governo Federal para participar de um Plano de Recuperação Fiscal, ou seja, poderia ser uma saída para a crise econômica do Rio Grande Sul, Diante deste quadro o programa vai perguntar se vale a pena sacrificar o Banrisul para pagar dívidas com a União. Será bom ou ruim para o estado e para a população esta transação? Qual a sua opinião? Participe!

 

Dizem por aí... Que ao vender o Banrisul, o Estado apenas vai “empurrar com a barriga” à solução da crise econômica. Será verdade?

 

Leia Também Matam a educação pública, aos poucos! A periferia como lugar de atenção da Igreja Católica de Passo Fundo Orgulho Gaúcho O que é um Seminário?