O jogo que não terminou

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe

O que aconteceu no ginásio Capingui no sábado, 28, não tem absolutamente nada a ver com futsal, não tem nada a ver com esporte. Quem estava lá para garantir a segurança do espetáculo não poderia acabar com o jogo. É inadmissível que um segurança agrida alguém, independente de qualquer fato, mesmo que aconteçam agressões contra eles.

Porém, vamos aos fatos. A primeira confusão aconteceu na linha lateral em frente ao banco de reservas da equipe de Parobé. O fixo Nuno foi derrubado e, ao tentar se levantar, foi empurrado pelo técnico adversário caindo novamente. A partir daí começou o empurra-empurra entre os jogadores, terminando com a entrada da segurança separando as equipes. O jogo prosseguiu e poucos lances seguintes, em uma disputa na linha lateral em frente ao banco de reservas do Passo Fundo, um jogador de Parobé acabo acertando com o cotovelo no rosto do Nuno. Mais uma confusão entre os jogadores.

A equipe de segurança entrou na quadra para separar e assim o fez. Porém, após afastar as duas equipes, alguns seguranças passaram a agredir os jogadores de Parobé. Os atletas do Passo Fundo tentaram intervir e acabaram sendo agredidos também.

O time de Parobé se recolheu ao vestiário e após a chegada da Brigada Militar, o delegado da partida considerou prudente encerrar o jogo por falta de segurança. Toda a confusão aconteceu quando faltavam sete minutos para o final do segundo tempo. Alguns vídeos que estão circulando pelas redes sociais mostram que a primeira agressão foi de um jogador de Parobé em um segurança. Mesmo assim não justifica o revide.

 Segurança está lá para proteger e não agredir.

Agora resta aguardar o julgamento no Tribunal de Justiça Desportiva para sabermos qual será o resultado do despreparo de alguns seguranças.

Com a bola rolando, o PFF não fazia um bom jogo, o time estava ansioso, querendo resolver de uma vez e isso acabava gerando muitos erros de passes e poucas finalizações com perigo ao gol adversário.

Já o Parobé, que é um bom time de futsal e não tinha nada a perder foi pra cima e conseguiu marcar o seu gol. Não gostei do que ouvi dos jogadores na volta para o segundo tempo: que se não levasse gol a vaga estava assegurada.

É sabido que quem joga para empatar em 0x0 perder por um a zero. E foi isso que aconteceu.

Eu acredito que o restante desse jogo irá acontecer, em quadra neutra ou sem a presença de torcida, mas a vaga deverá ser decida dentro da quadra com a bola rolando e não em um tribunal.

Eu acredito também que com a bola rolando o Passo Fundo Futsal fica com a vaga, poderá ter sete minutos do segundo tempo para marcar o gol de empate. Caso não aconteça ainda tem a prorrogação onde um empate serve para o PFF.

O Paso Fundo vai subir. O trabalho realizado ao longo do ano foi lindo. O time é qualificado e acontecendo o restante da partida o PFF vai garantir a vaga. Vale ouro!

GRÊMIO

Que jogo fez o Grêmio em Guayaquil. Luan marcou dois gols, Edilson fez uma baita partida pela direita, Cortes da mesma forma na esquerda e a defesa do Grohe foi a mais espetacular que eu já vi.

Renato Portaluppi mostrou mais uma vez, para aqueles que ainda teimam em não aceitar, que ele é sim um bom treinador de futebol e que está certo ao poupar os jogadores no Brasileirão. Quando todos diziam que o Grêmio estava em uma crise técnica, que o futebol não era mais o mesmo do meio do ano o time faz uma partida de encher os olhos no Equador e praticamente garantiu a vaga na final da Libertadores.

Praticamente garantida porque ainda tem mais 90 minutos. Desta vez na Arena nesta quarta. Chegando a final e repetindo a atuação de Guayaquil o Grêmio tem grandes chances de ser tri da América.

Boa segunda.

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”