Inusitados acessórios do Fusca – III

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Hoje trazemos a última parte da nossa incursão pelos acessórios inusitados do Fusca e seus nomes e funções pitorescas.

Vamos começar por um mais conhecido.

- Dentadura de baiano: é a grade de metal que se pode instalar na grelha traseira de ventilação do Fusca, abaixo do vidro vigia e também nas grelhas da tampa do motor. Foi utilizado como acessório estético desde os primórdios, sendo que já na década de 50 os Fuscas alemães e americanos ostentavam o acessório. No Brasil, o apelido “dentadura de baiano” foi dado por causa das pontes metálicas que fixavam os dentes postiços dos nordestinos (não só dos nordestinos, diga-se de passagem). Podiam ser compostas de uma ou duas peças inteiriças ou de várias peças menores. Algumas empresas fabricavam “dentaduras de baiano” até para a entrada da caixa de ar do capô do porta-malas. O anúncio da mais famosa fabricante do acessório a década de 60 (Metalúrgica Zaccaria Ltda) era muito engraçado: “fácil de colocar e embeleza horrores”.

- Quebra joelho: aqui no sul é mais conhecido como “porta-treco de bambu” ou “bambuzinho do Fusca”, mas o apelido de “quebra joelho” tem muita razão de ser. É um acessório de época que dava solução para um problema crítico do besouro, a falta de espaço. Instalado sob o painel, todos os pequenos objetos que você não tinha onde largar podia jogar ali e andar descansado. Várias empresas e artesãos fabricavam e vendiam o acessório, havendo muitos modelos, todos muito parecidos. Uma variação interessante é o “meio quebra joelho”, onde se podia optar por instalar somente do lado do motorista ou do lado do carona a metade do acessório. Modernamente alguns modelos em metal leve estão à venda na internet, mas o modelo tradicional, feito de bambu, é sempre o mais requisitado.

- Gela saco: este talvez seja o menos conhecido dos acessórios do Fusca, até porque teve vida curta. Em 1951 a VW, pensando em melhorar o sistema de ventilação do Fusca, desenvolveu um curioso aparato. Ainda na linha de montagem eram adicionadas aberturas laterais de ventilação, logo à frente da porta. Era basicamente uma portinhola que podia ser acionada por dentro do carro e que, quando aberta, mandava ar fresco para dentro. O interessante é que, pela posição da abertura, o vento era direcionado diretamente para as partes baixas dos ocupantes dos assentos dianteiros, o que acabou gerando o curioso apelido, usado, claro, só no Brasil. Já em 1952 o sistema foi abandonado por razões óbvias: causava mais desconforto que conforto aos ocupantes.

- Chega mais: esse acessório era uma opção mais acessível para quem não podia ou também para quem não queria trocar todo o conjunto dianteiro de bancos do Fusca por bancos inteiriços, moda nos anos 60. Teve vários apelidos como “vem cá meu bem”, “banquinho do amor” ou “banquinho namorador”, mas o que pegou mesmo foi “chega mais”.  Resumindo, era um banquinho feito especialmente para ser colocado entre os bancos dianteiros, sobre o freio de mão, sem nenhum tipo instalação ou fixação. Se por um lado a utilização do freio de mão ficava um pouco mais complicada, quem usou o “chega mais” garante que os benefícios de ter sua paquera bem juntinho no Fusca valia o incômodo.

BÔNUS

- PQP: sabe aquela alça do painel do Fusca que fica à frente do carona? Então, o “nome científico” dessa peça é... alça do painel do Fusca! Mas, como quase tudo no Brasil ganha um apelido, essa alça ficou popularmente conhecida como PQP, expressão que o passageiro sempre largava quando era pego de surpresa por alguma manobra mais arriscada do motorista. Outros apelidos, dados conforme a região do país, foram “puta merda”, “pega jacu” ou “segura jacu”. Até 1960 o Fusca não tinha essa alça, que passou a sair montada de fábrica para dar mais segurança ao passageiro, pois os cintos de segurança ainda eram opcionais.

 

Leia Também 3º Domingo do Tempo Comum. Que seja feita justiça no caso “Lula” “A verdade vos libertará” (João 8, 32) Absolver é dar um viva à imoralidade