Projeto Olho Vivo – Vídeomonitoramento em Marau

Compartilhe

Olá amigos! Hoje vou contar um pouco da história de um projeto, na área de segurança pública, que deu certo. O Olho Vivo, que funciona em Marau desde 2015.

Para falar deste grande projeto, tenho que voltar ao ano de 2005, quando o Sr. Ildomar Marodim, Presidente da OAB, levantou a ideia de implementar, em Marau, um sistema de monitoramento para proteger a população da criminalidade que já, naquele tempo, assustava os moradores da cidade. Passaram-se anos e, em 2013, o povo de Marau confiou à mim a tarefa de estar à frente da gestão municipal, assumindo o cargo de Prefeito. Naquele ano, o número de ocorrências policiais era assustador. Só em 2013 foram registrados 11 homicídios e quase 100 roubos de veículos. Muitos deles ficaram conhecidos como “sequestro relâmpago”. Nesses furtos, o motorista era obrigado a fugir junto com o bandido, que o libertava longe de sua casa, em muitos casos na BR 285. Isso, após momentos de forte tortura psicológica e até mesmo violência física. A população estava assustada e algo precisava ser feito.

Foi então que o Secretário de Segurança da época, o advogado Antônio Dall Acqua, tomou a iniciativa de reunir as entidades como: a Associação Comercial, a OAB, o Poder Legislativo, o Poder Judiciário, o Consepro e as nossas Polícia Civil e Militar, para colocar em ação o tal projeto, idealizado em 2005 pelo Sr. Marodim.

Para isso, buscaram o que tinha de mais moderno no quesito tecnologia. O trabalho foi grande, enfrentamos questões burocráticas como a autorização da Secretaria de Segurança do Estado para o funcionamento do sistema, a liberação da RGE, a instalação de fibra ótica, entre outros. Colocamos essa ação como prioridade no orçamento do município, e no início de 2015, o projeto Olho Vivo começou a operar. Primeiramente com 44 câmeras, monitoradas pela Brigada Militar, com extensão na Delegacia de Polícia. Entrava em vigor a primeira etapa do projeto.

Após esse exitoso início, demos sequência às etapas seguintes. Instalamos um total de 109 câmeras nos bairros, centro e nos locais de entradas e saídas da cidade. Foram investidos 2 milhões de reais, recurso oriundo da própria comunidade. O resultado foi maravilhoso! Com o excepcional trabalho dos nossos policiais, conseguimos reduzir em 60% os índices de criminalidade e a população passou sentir mais segurança para realizar as atividades do dia a dia.

 Segundo o ex-Secretário Dall Acqua o Olho Vivo “foi um projeto para a sociedade, com o objetivo especificamente de buscar uma solução para problemas de segurança pública. Quando todos se unem em torno de um objetivo, as coisas se realizam. Não basta somente o projeto, mas sim, a efetividade da Prefeitura e das entidades para garantir o resultado”, conclui Dall Acqua.

Vale dizer também que não adiantava apenas alegarmos que a segurança é dever constitucional do Estado, que não estava e não está, cumprindo bem sua tarefa. Tínhamos que nos ocupar e cuidar da população. Resultado: viramos referência. Trinta municípios do estado e alguns de fora, como foi o caso de Sorriso – MT vieram conhecer nosso sistema. E nessa semana, fiquei feliz em saber que Marau recebeu distinção pelo projeto no Prêmio Gestor Público 2017 em Porto Alegre.

Nesse momento, colhendo mais um fruto dessa ação, fica o aprendizado: a comunidade unida é mais forte e consegue concretizar resultados efetivos para melhorar a qualidade de vida da população.

Para relembrar, compartilho link da matéria de 14 de abril de 2015 sobre o projeto Olho Vivo, apresentada no Jornal do Almoço na RBS TV http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/jornal-do-almoco/videos/v/rede-de-monitoramento-de-maraurs-e-modelo-no-estado/4109458/

 

Leia Também O cão, o trigo e o Fusca Não incide IOF sobre fluxo financeiro em participação em sociedade “Enviados para testemunhar o Evangelho da paz” Solução para o atraso