Compromisso com a Amazônia!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

A decisão do Papa Francisco de convocar um Sínodo sobre a Amazônia é uma boa iniciativa pois vai reforçar a ideia de que a responsabilidade pela integridade da região é compromisso de todos e não apenas dos que ali habitam. Nós, enquanto moradores da Região Sul, devemos à Amazônia o equilíbrio climático, especialmente o regime de chuvas. Somos dependentes da Amazônia na linha do que diz o Papa Francisco, “tudo está interligado”.    

 Considero algumas referências na compreensão do Sínodo da Igreja Católica para a Amazônia. A primeira relaciona-se com a questão ambiental. O equilíbrio ambiental das diferentes regiões do Brasil depende da integridade da Floresta Amazônica. A destruição daquele bioma e seus diversos ecossistemas abalará os ecossistemas de outras regiões não só do Brasil, mas da América Latina.

A segunda referência é antropológica. A região Amazônica, que não se limita ao território brasileiro, abriga diferentes povos indígenas e outras comunidades tradicionais tais como ribeirinhos, pescadores e quilombolas. Seria muito bom conhecer um pouco mais destes povos. Estão ali há muitos anos e desenvolveram uma forma de vida própria, integrada aquele ambiente e que deve ser respeitada.   

Lembro também a referência cultural, que está ligada à referência antropológica. O Brasil é pluricultural. A região Amazônica também é. Abriga no seu território uma variedade imensa de culturas ligadas aos povos indígenas e outras comunidades tradicionais acima descritas, que legam grande enriquecimento não só para o local, mas para o todo o Brasil. Desconhecer a tradição cultural destes povos é minimamente uma leitura reducionista de cultura.

Por fim lembro a perspectiva da evangelização. No anúncio do Sínodo o Papa Francisco colocava a preocupação com a evangelização dos povos indígenas. No caso a evangelização implica na aproximação com estes povos e outros. Implicará também na inculturação para tornar o evangelho conhecido na região, considerando sua tradição cultural milenar e dialogando com a mesma. É o caminho viável para tornar o Reino de Deus presente no mundo (Cf. EG 176). 

Que este Sínodo nos faça mais comprometidos e solidários com os povos da Amazônia. 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito