Precisamos falar sobre 2017

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe

Estamos a nove dias do primeiro jogo da final da Libertadores. Seremos pelo menos 55 mil pessoas na Arena e mais da metade do estado parado em frente a uma televisão, rádio, tablet, computador ou qualquer outra forma que seja possível acompanhar o que está acontecendo em Porto Alegre.

O ano de 2017 está chegando ao fim e mesmo sem ainda ter terminado e com a possibilidade de sermos tri da América quero fazer uma breve avaliação deste ano para o tricolor.

Bom, começou sem muitos reforços desembarcando, algumas desconfianças sobre o grupo e as de sempre sobre o treinador. Ouvi dizer até que o Inter na série B havia contratado melhor que o Grêmio na Libertadores (risos, muitos risos). Trouxemos o Jael, o cruel. Ok, para cruel está difícil, mas está aí, já deu assistência para gol que decretou a vitória do Grêmio.

Ouvi muitos criticar a forma com que o Grêmio jogou o Brasileirão, colocando reservas em algumas partidas para priorizar a Libertadores e a Copa do Brasil. Críticas que eu não concordo. Afinal, uma vaga no torneio continental é o objetivo de muitos outros times e o Grêmio já está lá, então é lógico que deve ser prioridade. E sendo prioridade estamos na final. Eu tenho dificuldade de compreender as criticas ao Grêmio neste ano.

Estamos na final da Libertadores, paramos na semifinal da Copa Brasil e no Brasileiro mesmo atuando algumas vezes com time reserva o Grêmio nunca deixou o G4 e se o Corinthians não tivesse disparado no primeiro turno estaríamos brigando pelo título. É preciso olhar e valorizar tudo que já foi feito em 2017 sabendo que tem muita coisa ainda para acontecer.

E para quem disse que essa Libertadores é a mais fácil da história, talvez até não tenha sido tão difícil quanto outras já disputadas, mas nunca deixa de ser Libertadores da América. Mas eu compreendo a revolta, faz parte, é um sintoma da frustração com o seu próprio time, afinal difícil mesmo é vencer o Vila Nova.

PASSO FUNDO FUTSAL

No tribunal o Passo Fundo Futsal não foi feliz. Como já é de conhecimento de todos o TJD deu os pontos do jogo e da prorrogação para o Parobé eliminando assim o Passo Fundo da competição. O recurso do PFF está tramitando e em breve teremos novidades sobre o caso. Torço por uma solução justa o quanto antes e para mim justo seria a bola rolar e as duas equipes decidirem dentro de quadra quem segue adiante. O Parobé foi sim causador de toda a confusão. Não, não justifica a agressão dos seguranças, porém não é justo que o Parobé cause tudo o que causou e saia com a classificação assim no mole. Se vencer em quadra está tudo certo, parabéns e vida que segue. Mas assim, em um tribunal não é certo.

Boa segunda!

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito