O desmonte da educação pública no Brasil

Postado por: Juliano Roso

Compartilhe

O governo do presidente Michel Temer tem promovido uma verdadeira cruzada contra o sistema público de educação do Brasil. O corte de 30% nos repasses para as universidades federais e institutos federais, além da extinção de bolsas de estudos, provoca uma crise sem precedentes no ensino superior brasileiro. Segundo dados do MEC, a verba para custeio da pasta caiu de R$ 3,7 bilhões para R$ 2,1 bilhões em um ano. Menos dinheiro que vai contra ao aumento no número de alunos, por exemplo, da rede federal que passou de 490 mil para 880 mil alunos em cinco anos. 

A reitoria do IFRS apontou que os 12 campi da instituição, que somam 12 mil alunos, tinham, em 2012, um orçamento de R$ 54 milhões anuais. Cinco anos depois, com 19 mil alunos em 17 campi, o orçamento diminuiu para R$ 50 milhões. A Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) teve um corte de 33% em seu orçamento em relação ao ano de 2016. Com menos dinheiro em caixa, a universidade prevê um déficit de R$ 30 milhões neste ano. A reitoria já informou que está tendo dificuldades para o pagamento de contas regulares, como água e energia elétrica. 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Fundação Universidade de Rio Grande (FURG) sofreram cortes de 20% nas verbas no mesmo período. Na UFRGS, a maior instituição do Estado, o orçamento caiu de R$ 193 milhões para R$ 178 milhões. Na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 27 dos 100 postos de vigilância do campus foram extintos por falta de dinheiro, o que aumentou a violência em uma das maiores universidades públicas do país. Na Fronteira Oeste e Campanha, onde a Unipampa tem unidades, a verba para custeio foi 15% menor. Corte ainda maior, de 60%, foi feito no valor que seria destinado para obras e aquisição de equipamentos para a instituição. 

Em um país onde somente 14% da população tem ensino superior, o corte na educação representa um aumento futuro no profundo poço que nos faz um dos lugares mais desiguais do planeta. Será somente com educação séria, para todos e de qualidade que aumentaremos a renda dos mais pobres e ofereceremos oportunidades iguais para todos. 

 

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito