Quanto custa um Fusca?

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Avaliar o valor de um carro usado nunca é uma tarefa fácil, a não ser que você trabalhe com isso. Mesmo assim, para os que trabalham no mercado de carros usados, algumas vezes a avaliação de um modelo pode ser extremamente arriscada. Mas hoje vamos nos arriscar nesse terreno pantanoso e dividir nossa impressão sobre quanto custa o carro mais amado do mundo.

O Fusca é um caso desses de avaliação de preços nada fácil. Além do valor do carro em si, quase sempre vem junto o peso da relação com o dono, que nunca pode ser expressa em cifras. Dessa forma, na grande maioria dos casos, as avaliações são contestadas pelos donos dos Fuscas. Lembremos ainda que o besouro deixou de ser produzido no Brasil em 1996 e, portanto, o mais novo tem 21 anos. Vamos deixar de fora o New Beetle e o novo Fusca e focar somente no velho cascudo com motor refrigerado a ar.

Esteve desde a década de 50 rodando por terras tupiniquins e teve diversos modelos de carroceria e motores. Além disso, muitas peças eram intercambiáveis entre modelos diferentes e os proprietários estavam  sempre em busca de "atualizações" para seus Fuscas, instalando peças das versões mais novas em seus carros mais velhos. Isso torna difícil identificar a originalidade do veículo.

Porém, um dado sempre é levado em consideração na avaliação de um Fusca é o primordial: o estado geral do carro. Se um Fusca 1985 está muito judiado, com problemas de lataria, motor ruim ou está mal cuidado, certamente terá uma avaliação pior que um do ano 1978 que esteja brilhando. Algumas séries especiais também tem diferenciação na avaliação, mas isso para colecionadores. 

Em termos gerais, considerando o mercado atual de carros usados e toda uma valorização dos carros antigos nos últimos tempos, o Fusca perdeu sua fama de carro barato e é encontrado à venda, em estado de conservação regular, numa faixa entre sete e 10 mil reais. Fuscas a venda com valores abaixo dos sete mil reais normalmente são carros com vários problemas a serem resolvidos, que vão exigir, com certeza, tempo e dinheiro.

Na faixa entre os 10 e os 20 mil reais encontramos modelos mais conservados e com pouca ou nenhuma manutenção a ser realizada. Mas não espere modelos clássicos ou séries limitadas nessa faixa de preço. Nem acessórios legais como rodas de liga leve.

Entre 20 e 40 mil reais estão cotados os Fuscas de melhor estado de conservação e que possuem algum diferencial, como séries especiais ou acessórios como rodas importadas, motor trabalhado, interior customizado, teto conversível e outros. Também estão nessa faixa de preços os clássicos originais de época que mantenham alto grau de originalidade.

Por fim, na faixa acima dos 40 mil reais estão posicionados poucos Fuscas que apresentam diferenciais muito valorizados. Séries especiais em estado impecável, com histórico de antigos donos e de manutenções efetuadas, placas pretas de coleção e raridades muito antigas ou muito exclusivas, mas sempre em estado primoroso de conservação. 

Fuscas da década de 50, modelos conversíveis de época ou que tenham pouca quilometragem e mantenham a originalidade de fábrica são cada dia mais raros, o que os torna cada vez mais caros.

Fuscas da última fase, chamados de Fusca Itamar, principalmente os da Série Ouro, que encerrou a produção no Brasil, tiveram a maior valorização nos últimos tempos. Em nossa região um Fusca Itamar Série Ouro, único dono e com baixíssima quilometragem, foi vendido para um colecionador de São Paulo por aproximadamente 60 mil reais em 2017. Mas foi um caso isolado, de um Fusca verdadeiramente muito especial.

Então, se você pensa em comprar um Fusca, fique de olho e desconfie de preços muito baratos, pois pode exigir muita manutenção e sair mais caro, sem falar na dor de cabeça com a reforma. Se procura um carrinho para o dia-a-dia e para diversão, mas não quer se envolver com reformas, esteja preparado para desembolsar de 10 a 20 mil reais. E, se estiver procurando uma raridade ou um Fusca diferenciado, pode garimpar alguns anos atrás de alguma pechincha perdida no mundo ou conformar-se em investir mais de 40 mil reais.

Sempre é bom lembrar que um dos investimentos mais rentáveis de 2017, conforme pesquisas da área econômica, foi comprar carros antigos, onde a Kombi corujinha teve a maior valorização e o Fusca foi o mais negociado.

Leia Também 11º Domingo do Tempo Comum. Programa Sustentabilidade Ambiental Empresarial será lançado pela ACISA Cuidado com o crime digital As pequenas ações