Pela valorização da profissão do Médico Veterinário

Compartilhe

O "Papiro de Kahoun", encontrado no Egito em 1890, já descrevia fatos relacionados a arte de curar animais, ocorridos há  mais de 4000 anos a.C., indicando a realização de procedimentos de diagnóstico, prognóstico, observação de sintomas e tratamento de doenças de diversas espécies animais. A memória histórica também permite inferir que a medicina animal já era praticada 2000 anos a.c. em certas regiões da Ásia, África, Egito e Índia Oriental. A Medicina Veterinária moderna, já organizada a partir de critérios científicos, iniciou com o surgimento da primeira escola de Medicina Veterinária do mundo, em Lyon-França, criada pelo hipologista e advogado francês CLAUDE BOUGERLAT, a partir do Édito Real assinado pelo Rei Luiz XV, em 04 de agosto de 1761.

No Brasil, já sob regime republicano, nossas autoridades decretaram a criação das duas primeiras instituições de ensino Veterinária no Brasil, a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária (1913), e a Escola de Veterinária do Exército (1914), e a ambas na cidade do Rio de Janeiro.

Entretanto, foi em 1933, que o então presidente Getúlio Vargas criou a normatização para a atuação e o ensino do Médico Veterinário no país.  Em 23 de outubro de 1968, passou então a vigorar a Lei 5.517, que dispõe sobre o exercício da profissão do Médico Veterinário, criando os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária, transferindo para estas entidades uma função fiscalizadora, educadora e promotora do desenvolvimento profissional.

Ao longo das últimas décadas, com as transformações econômicas e sociais ocorridas, somado ao crescente número de animais de companhia como membro da chamada família multi espécie, a profissão tem passado por grandes transformações. O profissional Médico Veterinário é fundamental para que a relação entre os humanos, animais e o meio ambiente. A interdependência da saúde humana, animal e ambiental é chamada de Saúde Única, um conceito global reconhecido por diversas organizações internacionais, entre elas a Organização Mundial da Saúde (OMS). São os profissionais inseridos neste contexto, que atuam na inspeção  e avaliação de todos os alimentos de origem animal que chegam à mesa do consumidor, cuidam da saúde e bem-estar dos animais domésticos e selvagens,  e atuam na manutenção e melhoria da qualidade da saúde pública. Neste ano, vivenciamos uma eleição acirrada para uma das entidades de classe, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul. Nos últimos 8 anos, observamos uma gestão marcada pela empreendedorismo. Notavelmente, o CRMV/RS além de inovar e modernizar a gestão, conseguiu aproximar-se da sociedade e  demostrar a importância do trabalho dos Médicos Veterinários.

Nesta sexta-feira, dia 17 de novembro de 2017 às 19 horas ocorre a posse da nova gestão (2017-2020) para o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul. Marcada por uma articulação bem realizada pelos seus idealizadores, construiu sua diretoria e conselheiros com representatividade significativa no interior do Estado. Entre eles, uma figura ilustre  e bem conhecida na nossa cidade, o mestre e amigo,  Édison Armando de Franco Nunes. O Professor Édison Nunes compõem a nova direção executiva do CRMV/RS  (2017-2020) como Vice-Presidente. Assim, desejo ao amigo, um bom trabalho e, que siga contribuindo com o engrandecimento e a valorização da profissão nos próximos anos.

Deniz Anziliero é Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da IMED. 

Leia Também O político honesto e seu Fusca. Uma incrível história real. Sabedoria O seu voto possui ética? Os farroupilhas e os lanceiros negros!