Racismo é da cultura do brasileiro

Postado por: Ronaldo Rosa

Compartilhe

Tem muita gente que condena o racismo, assim como tem muitos que no fundo apoiam, só não tem coragem de assumir, então usam de disfarces para colocar para fora o desprezo com seu semelhante, por causa da cor, da classe social, da casa que mora, do trabalho que tem e por aí a fora. Os casos de racismo que repercutem na mídia são a prova disto. A mulher que chamou uma menininha de 2 anos de macaquinha, ganhou milhares de seguidores após o ataque. Na Universidade de Santa Maria, quem escreveu os desaforos aos negros são estudantes de origem de famílias ricas, então não é questão de formação, de ter passados por boas escolas, é cultural mesmo. Muitos negros são prejudicados na disputa de vagas, desde emprego, até de concurso, de provas, o negro é preterido com outras desculpas, mas no fundo é racismo mesmo. É importante que esta covardia seja escancarada para a sociedade discutir e refletir. É possível mudar isto, só que quanto mais escondido, mais tempo vai levar.  Tem ainda algumas pessoas que por dinheiro, por raça, por cargo e tantos outros privilégios que julga ter, se acham melhores que outras, mas é bom lembrar que viemos sem nada para este mudo e sem nada vamos voltar, como num jogo de xadrez “no final o rei e o peão voltam para a mesma caixa”.

 

Ressocialização somente através da fé

Diante da falência do sistema penitenciário do Brasil, só tem um jeito de um criminoso se arrepender e buscar uma nova chance de vida, como uma pessoa descente e do bem, através da fé. O próprio secretário de segurança do RS, em diversas manifestações reforçou este conceito e entregou nas mãos de Deus salvar, pelo menos alguns presos. Portanto, o trabalho de evangelização, seja da Igreja Católica ou Evangélica, precisa ser incentivado, organizado, motivado. Aqui no presídio de Passo Fundo o trabalho Cristão não encontra muito apoio, isso é de estranhar, talvez por aí também se explique todos os problemas, que vão muito além da superlotação. Inclusive recentemente foi realizada uma grande apreensão dos mais diversos tipos dos objetos que entraram na cadeia, até escada de happel e furadeira. Tem coisa errada aí e responsabilidades precisam ser apuradas.

 

Falta de trabalho incide diretamente na segurança

Ainda sobre presos e preconceito, existe uma resistência muito grande das empresas em dar emprego para um preso, que cumpriu pena e preciso recomeçar a vida. Claro que não é algo simples, mas quase ninguém dá esta oportunidade. Sou procurado com frequência por pessoas que já saíram e até por muito que estão com direito ao Semiaberto, que precisam de trabalho, mas só “dão com a cara na porta”. Essa situação incide diretamente na reincidência, tem muito gente que não quer saber de trabalhar mesmo e prefere praticar crimes por achar uma forma mais fácil e rápida de conseguir dinheiro, mas tem muitos que querem realmente trabalhar, mas a sociedade vira as costas.

 

Dizem por aí... Que quando a sociedade tiver outros olhos à possibilidade de ressocialização, os índices de reincidência irão diminuir. Será verdade?

 

 

 

 

Leia Também A periferia como lugar de atenção da Igreja Católica de Passo Fundo Orgulho Gaúcho O que é um Seminário? Municípios receberão R$ 44 milhões para salas de vacinação