A volta do “social” no debate econômico e político!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

As turbulências políticas e econômicas vividas nestes dois últimos anos provocaram o debate sobre o percentual de investimento nas demandas sociais. Opinava-se que não havia sustentabilidade, ou seja, condições econômicas para manter tal propósito. A crise econômica iniciada no Governo Dilma e perpetuada no governo Temer intensificou o questionamento e viu-se como solução, já adotada no Governo Temer, a diminuição dos gastos em todos os setores do Estado, especialmente na área social. A proposta da fixação do teto dos gastos normatizou esta iniciativa.

A questão é que, até 2014, mesmo com significativos avanços na área social, somados ao pleno emprego e aumento do salário mínimo, o Brasil permaneceu com uma estrutura injusta e desigual.  O aumento do salário mínimo e empregabilidade não foram suficientes como indicativos de uma nova ordem social. Sobreveio a crise de mais de dois anos e, esta afetou diretamente a população mais pobre. Se tomarmos o caso do emprego formal, só agora começam uns tímidos sinais de melhora.  Mas o estrago já foi feito e a elevação das condições de vida dos brasileiros pode demorar um pouco mais.

A consequência direta disso é o aumento do percentual de brasileiros na linha da pobreza, pessoas com renda familiar per capita abaixo de R$ 230,00 por mês. Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas aponta o número de 22 milhões de pessoas. O Banco Mundial afirma, por sua vez, que estes pobres são adultos, jovens, moradores das áreas urbanas e que estavam empregados no setor de serviços.

Estes fatos colocam a preocupação social como pauta necessária nos debates econômicos e políticos atuais e para 2018, ano eleitoral. A política, arte de “buscar o bem comum” e a economia, ciência que busca “cuidar das coisas da casa”, para que todos vivam com dignidade, devem se aliar neste intento. A preocupação com controle inflacionário, gastos públicos, salários, tem que estar correlacionadas com a preocupação com a superação da pobreza e a miséria. Além de estar nos projetos de governo em disputa deverão ser concretizados pois, quem tem fome não pode esperar.

Leia Também Responsabilidades para com a família! TRF desiste de analisar novo conceito de receita Acende-se o fogo da tradição Onde estava a Bíblia?