A volta do “social” no debate econômico e político!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

As turbulências políticas e econômicas vividas nestes dois últimos anos provocaram o debate sobre o percentual de investimento nas demandas sociais. Opinava-se que não havia sustentabilidade, ou seja, condições econômicas para manter tal propósito. A crise econômica iniciada no Governo Dilma e perpetuada no governo Temer intensificou o questionamento e viu-se como solução, já adotada no Governo Temer, a diminuição dos gastos em todos os setores do Estado, especialmente na área social. A proposta da fixação do teto dos gastos normatizou esta iniciativa.

A questão é que, até 2014, mesmo com significativos avanços na área social, somados ao pleno emprego e aumento do salário mínimo, o Brasil permaneceu com uma estrutura injusta e desigual.  O aumento do salário mínimo e empregabilidade não foram suficientes como indicativos de uma nova ordem social. Sobreveio a crise de mais de dois anos e, esta afetou diretamente a população mais pobre. Se tomarmos o caso do emprego formal, só agora começam uns tímidos sinais de melhora.  Mas o estrago já foi feito e a elevação das condições de vida dos brasileiros pode demorar um pouco mais.

A consequência direta disso é o aumento do percentual de brasileiros na linha da pobreza, pessoas com renda familiar per capita abaixo de R$ 230,00 por mês. Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas aponta o número de 22 milhões de pessoas. O Banco Mundial afirma, por sua vez, que estes pobres são adultos, jovens, moradores das áreas urbanas e que estavam empregados no setor de serviços.

Estes fatos colocam a preocupação social como pauta necessária nos debates econômicos e políticos atuais e para 2018, ano eleitoral. A política, arte de “buscar o bem comum” e a economia, ciência que busca “cuidar das coisas da casa”, para que todos vivam com dignidade, devem se aliar neste intento. A preocupação com controle inflacionário, gastos públicos, salários, tem que estar correlacionadas com a preocupação com a superação da pobreza e a miséria. Além de estar nos projetos de governo em disputa deverão ser concretizados pois, quem tem fome não pode esperar.

Leia Também Governador eleito caindo na realidade Bolsonaro, 2019!!! Comer doce vicia? 560 mil quilômetros de histórias e contando