RS: População deve ficar atenta aos focos do Aedes aegypti

Compartilhe

O último Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti – LIRAa, do Ministério da Saúde, mostrou que a maior parte dos criadouros do mosquito no estado do Rio Grande do Sul está na grande quantidade de depósitos encontrados no lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção.

Por isso, a população precisa intensificar a vigilância para evitar esses tipos de criadouros.

No estado, 35 cidades estão em sinal de alerta para a doença.

Por todo o Brasil houve redução nos casos de dengue, zika e chikungunya em relação ao ano passado.

Apesar dessa diminuição, é preciso que a população continue atenta no combate ao mosquito, pois ninguém está livre dessas doenças, que podem marcar uma vida para sempre. Por isso, a maneira mais efetiva de lutar contra o Aedes aegypti é acabando com o criadouro e, assim, impedindo o nascimento do mosquito. 

Leia Também Saúde em Debate: Mercado de trabalho para Técnico em Enfermagem Hospital Municipal com ações de prevenção ao câncer de pele Mais de 900 mil pessoas esperam por cirurgia não urgente no SUS Dia de orientação e prevenção à AIDS