Natal e o consumo consciente

Postado por: Manoela Cielo

Compartilhe

Com a chegada das festas de final de ano, o mês em que comemoramos o Natal é culturalmente conhecido pelo consumismo desfreado, típico de uma sociedade moderna. É nessa época em que as emoções afloram pelo espírito natalino, pelo nascimento de Jesus. É tempo de reunir a família, com o sentimento de saudades dos entes queridos que já partiram, é momento de confraternização e também a chegada do Papai Noel e a troca de presentes.

Todas essas emoções somadas à chegada do décimo terceiro salário, motivam ainda mais a compra por presentes, que muitas vezes são deixados para a última hora, dificultando ou quase anulando a prática do consumo consciente no momento da escolha do produto, não sabendo a origem do mesmo, nem se a empresa tem envolvimento com ações que contribuem de maneira social e ambiental.

A ideia de consumo consciente não é fazer com que as pessoas deixem de comprar, mas que planejem melhor o seu consumo para evitar endividamento, desperdícios, gastos desnecessários, menos lixo.

O Natal remete a sentimentos de solidariedade e empatia pelo próximo, sentimentos que poderiam durar o ano todo em todas as pessoas, porém sabemos que a realidade é outra, por isso se for ter atitudes ou hábitos de consumo exagerados, que seja em relação ao amor, ao carinho, a união, ao abraço, ao respeito, a preocupação, a educação, a reciclagem, a amizade, a alegria a renovação. Feliz Natal!

 

Leia Também Graças à bateria estragada Doenças psicossomáticas Vêm aí momentos ainda mais difíceis para o funcionalismo do Estado Ministério da Saúde libera recursos para o Qualifar-SUS